A Polícia Civil abriu inquérito para apurar a morte de uma mulher por inalar a fumaça durante protestos em Belo Horizonte. Edi Alves Guimarães, de 53 anos, morreu nesta segunda-feira (17), no Hospital Risoleta Neves, onde estava internada desde a última sexta-feira (14).

Neste dia eram realizados vários protestos e greves em Belo Horizonte e em muitas cidades do país contra a reforma da previdência apresentada pelo governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL) ao Congresso. A matéria está em discussão e ainda não foi votada.

Edi Guimarães estava em um ônibus, na Avenida Antônio Carlos, próximo à entrada do campus da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), quando manifestantes fizeram uma barricada com pneus em chamas.

A mulher, que tem oito filhos, passou mal já dentro do ônibus por inalar a fumaça escura da queima da borracha. No socorro até o hospital, policiais disseram que ela teve duas paradas cardiorrespiratórias dentro da viatura.

Edi morava em Santa Luzia e estava indo para o trabalho. Segundo Arthur Alberto Braga Guimarães, coordenador do pronto-socorro do Hospital Risoleta Neves, a paciente chegou inconsciente, em estado grave, e foram realizadas medidas de reanimação. Em seguida, Edi foi sedada, entubada e transferida para o CTI. A morte da trabalhadora foi às 14h30 desta segunda-feira (17).

O caso está sendo investigado pela 3ª Delegacia Noroeste de Belo Horizonte.

 

Fonte: G1||https://g1.globo.com/mg/minas-gerais/noticia/2019/06/18/policia-abre-inquerito-para-apurar-morte-de-mulher-que-inalou-fumaca-durante-protesto-em-bh.ghtml

Imprimir

Comentários