Cafeicultores de cidades do Sul de Minas estão tendo parte da produção de café furtada por funcionários terceirizados contratados para descascar o grão na época da colheita. O esquema é investigado desde setembro do ano passado pela Polícia Civil. Um suspeito foi detido na terça-feira (15) e outros dez foram identificados e prestaram depoimento. “Eles foram ouvidos, alguns confessaram, mas já havia passado o flagrante”, explicou o delegado Bráulio Stivanin Junior.

O crime já causou um prejuízo de pelo menos R$330 mil – 700 sacas de café – para cafeicultores de cidades como Serrania, Muzambinho, Alterosa, Nova Resende, Botelhos, São Pedro da União e Alpinópolis.

Segundo o delegado, os suspeitos realizavam uma modificação na máquina que descasca os grãos. Em um compartimento secreto, um montante de 10% a 15% do café ficava retido no equipamento. “Estamos apreendendo as máquinas com a suspeita de adulteração e buscando identificar todos os envolvidos. Consideramos também a hipótese de haver uma organização criminosa com atuação em nossa região e também em São Paulo, especialmente na cidade de Franca”, disse o delegado.

O investigador acredita ainda que a mesma quadrilha cometeu os furtos em diferentes cidades da região, já que a alteração nas máquinas são semelhantes. A suspeita é que o crime ocorria desde 2010. Os envolvidos serão indiciados por furto mediante fraude e organização criminosa.

 

 

Fonte: O Tempo ||

Imprimir

Comentários