A Polícia Civil de Lagoa da Prata identificou oito suspeitos de criarem uma comunidade no Orkut com teor difamatório. Na página no site de relacionamentos, uma lista associa o nome de vários homens moradores da cidade à infidelidade de suas respectivas mulheres.
Entre os suspeitos de criar a comunidade os cornos de Lagoa da Prata está um rapaz de 23 anos, que, segundo a polícia, já foi preso pela Polícia Federal por invadir o site da Receita Federal e elaborar CPFs falsos para realizar compras e empréstimos. Todos serão intimados a prestarem depoimento na próxima semana.
A lista virou o centro dos comentários na cidade e de debate em programas de TV. Muitos casais de Lagoa da Prata tiveram desentendimentos após serem citados na lista. O caso será repassado à Delegacia de Investigação de Crimes Cibernéticos, em Belo Horizonte, que vai trabalhar nas investigações para descobrir a origem do computador que criou a comunidade. O Ministério Público Estadual (MPE) já determinou que a Google, responsável pelo Orkut, retire a comunidade do ar. No entanto, até a tarde de ontem, a página continuava disponível na internet.
Os comentários sobre a lista surgiam a todo o momento em Lagoa da Prata e o assunto dividiu opiniões. Nas praças, bares e restaurantes, alguns brincavam, enquanto outros se mostravam indignados. É uma falta de respeito com os homens de Lagoa da Prata. Isso está manchando o nome da cidade , afirma o gerente Gilmar Filho.
Ao contrário dele, as amigas Mariana de Castro e Miriam Ferreira, acreditam que tudo não passa de uma brincadeira. Tem gente que está aproveitando que o namoro já não estava muito bem para poder terminar de uma vez , disse Mariana.
De acordo com a dona da única banca da cidade, Marília Duarte, 39 anos, os exemplares dos jornais que continham a reportagem se esgotaram rapidamente Quando as pessoas souberam que a história estava na capa, muitos vieram correndo , afirmou.

Imprimir
Comentários