Na manhã da última segunda-feira (19), o gerente comercial Roberto Pereira Simões, de 31 anos, saiu da cidade de Divinópolis com destino a Formiga, com o objetivo de encontrar um cômodo comercial para locar e abrir uma filial da rede de lojas para a qual trabalhava. Após resolver os problemas em Formiga, retornaria para Divinópolis.
Essa era, de acordo com as informações apuradas, a intenção de Roberto Simões. Como ele não retornou para casa, a família acionou a Polícia Civil de Formiga e comunicou o desaparecimento do gerente, sendo lavrado um Boletim de Ocorrência de pessoa desaparecida.
A princípio, a família e a polícia trabalhavam com a hipótese de que Roberto Simões poderia ter sido vítima de sequestro relâmpago. Diante disso, a Polícia Civil, por meio do delegado Francis Diniz Guerra, começou as investigações.
Segundo as informações levantadas pela polícia, o gerente efetuou um saque na agência do Banco do Brasil em Formiga, na segunda-feira, às 9h33, no valor de R$1 mil conforme comprova o extrato bancário. Roberto Simões entrou na agência sozinho, conforme mostram as imagens internas do banco. A família considera esse fato estranho, já que o gerente não tinha o hábito de efetuar saques de valor elevado. O dinheiro não foi encontrado e ninguém sabe com o que foi gasto, pois a família não tinha conhecimento de nenhuma dívida. E mais curioso ainda é que Roberto Simões, segundo os familiares, era bastante controlado com suas finanças.
No mesmo dia, às 10h10, o gerente ligou para o chefe solicitando um adiantamento de diária no valor de R$700, que não foram sacados, fato que deixou o chefe bastante surpreso, pois não era comum ele fazer isso. De acordo com o chefe, Roberto Simões foi bastante frio em suas palavras, outro fato incomum.
Ainda na parte da manhã de segunda-feira, às 11h14, o gerente ligou para a esposa, em Divinópolis, e comunicou que iria almoçar em casa, o que acabou não acontecendo.
Como a Polícia Civil não estava obtendo êxito em suas investigações, começou a trabalhar com a hipótese de um acidente no percurso entre Formiga e Divinópolis, solicitando a ajuda do Corpo de Bombeiros, que disponibilizou, na tarde desta quarta-feira (21), um helicóptero para acompanhar as buscas.
O Corpo de Bombeiros de Belo Horizonte, com o apoio do helicóptero, efetuou uma varredura ao longo da MG-050 e, na altura do km 184, avistou um veículo acidentado fora da rodovia, dentro de uma ribanceira. Estava encerrado parte do mistério. O veículo, um Fiat Uno, e o corpo do gerente foram encontrados.
A Polícia Civil agora prossegue com as investigações para tentar desvendar o final deste mistério, trabalhando com várias hipóteses.

Imprimir
Comentários