Uma policial civil foi detida após invadir o Hospital da Baleia, na Região Leste de Belo Horizonte, para ter acesso ao corpo do irmão, que morreu de Covid-19 na noite dessa terça-feira (7).

O homem de 45 anos é uma das 1.355 vítimas do coronavírus no estado. Segundo o balanço da Secretaria de Estado de Saúde, divulgado nesta quarta, Minas Gerais já soma 64.035 casos da doença. 

Segundo o Hospital da Baleia, o paciente deu entrada em 20 de junho, encaminhado da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Leste, com suspeita de Covid-19. Ele tinha tosse, febre, falta de ar e dores musculares. O resultado positivo para a doença saiu no dia 24. No dia seguinte, ele precisou ser transferido para o Centro de Terapia Intensiva (CTI) e colocado no respirador. O homem morreu às 23h12 de ontem e a família foi comunicada imediatamente, conforme o hospital. 

“Na madrugada desta quarta (8) a irmã do paciente, uma policial civil, invadiu o Hospital da Baleia armada, na tentativa de ter acesso ao corpo do irmão, vítima da Covid-19. Ela foi conduzida pelos policiais militares à delegacia e não houve  danos físicos aos funcionários do Hospital da Baleia”, informou a instituição, por meio de nota. 

A Polícia Civil informou que a investigadora assinou um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) por constrangimento ilegal e deverá comparecer a uma audiência na Justiça. A polícia confirmou que ela queria ver o corpo do irmão. Em março, a Prefeitura de Belo Horizonte suspendeu os velórios nos cemitérios da capital para evitar aglomeração de pessoas, situação que facilita a transmissão da doença. 

“A PCMG ressalta que não compactua com esse tipo de ação e irá instaurar uma sindicância administrativa para apuração de eventuais infrações disciplinares. Informa, ainda, que a investigadora será encaminhada para avaliação psiquiátrica”, detalhou a polícia, também por meio de nota. 

Fonte: Estado de Minas

Imprimir
Comentários