O investigador reformado da Polícia Civil de Minas Gerais Geovani Maria de Morais foi homenageado na Câmara Municipal, na segunda-feira (12), pelos relevantes serviços prestados à população formiguense. A indicação foi feita pelo vereador Edmar Ferreira/PT.
Giovani Morais é natural de Formiga. Em 1976 serviu ao Exército Brasileiro, sendo paraquedista militar, totalizando 106 saltos. Em 1979, ingressou na Polícia Rodoviária Estadual, onde ficou por sete anos.
Devido ao seu estilo de combate à criminalidade, foi convidado a ingressar na Polícia Civil, sendo aprovado em concurso público e nomeado a detetive em junho de 1986. Por 25 anos, dedicou sua vida no combate ao crime.
Nos cursos feitos pelo detetive constam, progressão em favelas, rapel tático, manejo e emprego de armas de fogo, engenharia de tráfico, resgate e intervenção de reféns e o curso de operações especiais. Giovani Morais aposentou-se em julho de 2010. Em fevereiro deste ano, foi convocado pela autoridade policial a apurar um duplo homicídio ocorrido no bairro dos Quartéis. O suspeito foi preso um mês após o crime.
Essa é a segunda vez que o investigador é homenageado na Câmara Municipal. Ele agradeceu pelo reconhecimento e ressaltou que cumpriu com seu dever perante a sociedade formiguense. ?A questão da segurança pública, eu acho que ela está indo para um caminho muito grave. Se as autoridades não tomarem uma providência mais séria, a sociedade vai pagar um preço muito alto, infelizmente?.
Na ocasião, o policial reformado rememorou os tempos como investigador.?Eu acho a melhor carreira que existe na face da Terra. Mas continuo sendo policial, mesmo estando aposentado. Se eu ver qualquer ato de violência, eu não vou exitar em tomar providências, pois jamais fui omisso?.
Giovani Morais contou que o governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, está chamando os policiais militares já aposentados para voltar à atividade. ?Se a Polícia Civil achar que eu estou apto, eu voltarei. Estou também com um projeto para ser implantado em Formiga e vai depender da Câmara e do prefeito?, finalizou.

print
Comentários