O pó preto resultante das atividades industriais da Usiminas, em Ipatinga, continua causando transtornos para os moradores de áreas habitacionais próximas da usina. As reclamações desses moradores estão relacionadas à sujeira causada dentro de casa. Eles alegam que se deixarem as janelas abertas, o vento traz a poeira preta para dentro das casas e suja tudo.

Algumas donas de casa, que não quiseram se identificar, enviaram fotos e vídeos ao jornal Estado de Minas,mostrando como fica o interior de suas casas com o pó depositado em móveis e eletrodomésticos. O advogado Plínio Robert Aguiar da Fonseca disse que é natural algumas pessoas não falarem abertamente e nem discutir prováveis danos à saúde causados pela poluição, porque, segundo ele, em Ipatinga tudo gira em torno da Usiminas, e de que alguma forma, a maioria tem alguma ligação com a empresa.

“As pessoas sabem que o problema existe e sofrem com ele. Muitas deixam o assunto preso, morto, aprisionado dentro de um sarcófago”, disse o advogado Plínio Fonseca, “vizinho de muro da Usiminas”, como ele afirma, no Bairro Iguaçu. “Tenho um fusquinha branco lótus, que é a minha paixão. Se eu lavar o fusquinha às oito da manhã, às duas da tarde, o carro vai ficar todo preto. Pra resolver o problema, passei a usar uma capa de proteção cobrindo todo o carro”, disse.

Plínio disse que a sujeira provocada pelo pó preto também já se tornou natural para outras pessoas, que só percebem o pó quando passam a mão em algum objeto em casa e notam que a mão está suja. “Às vezes nem vejo o pó preto nas plantas, mas quando a gente balança alguma planta na varanda da minha casa, dá pra ver o pó preto caindo no chão, incrível”.

Matéria do Estado de Minas

print
Comentários