Na tarde dessa terça-feira (7), o prefeito de Divinópolis, Galileu Machado (MDB), anunciou a concessão de 4,59% de reajuste no salário dos servidores. O chefe do Executivo anunciou também a imediata contenção de gastos.

Em 17 de abril, os representantes do Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Divinópolis e Região Centro Oeste de Minas Gerais (Sintram) pediram apoio aos vereadores de Divinópolis para negociar um reajuste salarial com a Prefeitura. No mesmo dia, o Município afirmou que os salários de 2019 estão comprometidos, com ou sem reajuste.

No dia 25 de abril, a Prefeitura tinha proposto aos sindicatos da cidade, adiar as negociações de reajuste. Entretanto, os servidores negaram o pedido durante assembleia realizada no dia 29 do mesmo mês.

Conforme o documento enviado pelo prefeito à secretária Municipal de Fazenda, Suzana Xavier, o reajuste será feito em duas vezes. Serão concedidos 2% na folha de pagamento de julho deste ano. Já na folha de janeiro de 2020 será concedido os 2,59% restantes.

Segundo o prefeito, a segunda parte do reajuste coincide com o início de pagamento dos salários atrasados por parte do Governo de Minas Gerais.

No mesmo documento, a Prefeitura confirmou a imediata contenção de gastos. “Sinalizo que já determinei a adoção imediata de providências administrativas tendentes a promover o aperfeiçoamento da contenção de gastos e do ingresso de recursos nos cofres da administração”, afirmou o prefeito.

Contudo, na divulgação publicada no site da Prefeitura, não é detalhada as medidas e recursos citados pelo prefeito.

Crise

De acordo com a administração, a retenção de recursos em 2018 e 2019, desencadeou um rombo nos cofres públicos. Por causa disso é impossível conceder o reajuste necessário aos servidores. A Prefeitura destacou ainda que o município não tem mais capacidade de endividamento.

Desde o início de 2017, com o agravamento da crise financeira enfrentada pela gestão anterior do Governo Estadual, as prefeituras mineiras deixaram de receber ou receberam com atraso repasse de verbas.

No decorrer dos últimos dois anos, os débitos afetaram as contas de diversos municípios, como Divinópolis, por exemplo, que começou a parcelar o salário dos funcionários da educação no ano passado e depois estendeu a medida para os demais servidores.

Em dezembro de 2018, o salário de outubro dos professores da rede municipal ainda estava em atraso e seria quitado no dia 31 com verba de outro setor da Prefeitura.

 

 

 

Fonte: G1 ||

Imprimir

Comentários