O Ministério Público Eleitoral ofereceu uma ação na justiça contra o atual prefeito Wilson Marega Craide (Craidinho) e seu vice José Cirineu Silva, ao argumento de que eles, candidatos eleitos aos cargos de prefeito e vice-prefeito do município de Piumhi, no período eleitoral, praticaram a captação de sufrágio (crime de compra de votos) vedada no art. 41-A da Lei n. 9.504/97.
Segundo a decisão do juiz eleitoral da comarca de Piumhi, Dr Rogério Mêndes Torres, publicada na quinta-feira (4), o prefeito e seu vice teriam prometido doar lotes a vários eleitores com o objetivo de angariar votos em prol de suas candidaturas além de doar bens móveis como sacos de cimento, cal e ajuda de custo para o transporte de eleitores. Por isso, requereu a aplicação a eles de multa prevista em lei e a cassação de seus diplomas.
Segundo a decisão, para comprovar as irregularidades praticadas na ?compra de votos?, foram ouvidas várias testemunhas, analisadas várias provas, como gravações e documentos que foram apreendidos no comitê de campanha do prefeito onde se encontrou também papéis com nomes de eleitores, endereços, telefones, alguns registrados com a letra ‘L’ circulada, e outros registrados com a palavra ‘Lote’.
Na decisão o juiz determinou que o Presidente da Câmara Municipal dê posse, imediatamente, aos colocados em segundo lugar nas eleições objeto desta decisão – prefeito Adeberto José de Melo (Deco do Stalo) e vice-prefeito José Seabra de Oliveira, fazendo, assim, valer os respectivos diplomas a eles já passados.
Desta decisão cabe recurso.

Confira entrevista da Rádio Piumhi FM com Deco do Stalo e Craidinho:

Imprimir
Comentários