Na edição 893 do Jornal Nova Imprensa, de 28 de março, foi publicada a matéria sobre a realização de um abaixo-assinado de empresários e moradores da avenida Vereador José Higino Filho, na saída para Campo Belo, por causa das obras de duplicação da via que se arrastam desde 2012, entre interrupções e a retomada recente.
São muitos os testemunhos de prejuízos de empresários que estão com as portas de seus estabelecimentos isoladas, há meses, por causa de montes de areia que impossibilitam o estacionamento de carros e motos de clientes. No caso de borracharias e mecânicas, a situação é pior, já que as obras impedem que os veículos que precisam de reparos, que são o objeto de trabalho dessas empresas, sejam colocados no interior das mesmas.
Alguns empresários temem não conseguir arcar com o pagamento de funcionários diante da queda expressiva no número de clientes.
Nas entrevistas que embasaram a matéria anterior, foram feitos diversos questionamentos, posteriormente repassados para a administração municipal. Entre eles destacam-se: 1) Qual o motivo da demora da obra, que é refeita em vários pontos em curtos espaços de tempo? 2) Há possibilidade de mudança no projeto que atualmente prevê um canteiro central que impedirá a manobra de caminhões que descarregam nos depósitos? 3) Há possibilidade de inserir no projeto, meio-fio na via, possibilitando o estacionamento de veículos em frente às empresas? 4) Por que não são vistos funcionários da Prefeitura fiscalizando a obra? 5) Qual o prazo para a conclusão dos trabalhos?
Em nota, enviada na terça-feira (1º), a administração municipal informou que: ?A fiscalização da obra cabe à Setop (Secretaria de Estado de Obras Públicas), uma vez que se trata de serviço realizado com recursos estaduais. A Prefeitura de Formiga tem acompanhado de perto todo o processo. Graças à intervenção e ao empenho do prefeito Moacir Ribeiro, junto ao Governo do Estado, a obra, que estava parada, foi retomada. Nesta terça-feira, dia 1º, a chefia de Gabinete se reuniu com representantes da empresa e cobrou agilidade nos trabalhos, para causar o mínimo de impacto à vizinhança e a quem trafega pelo local. Em relação à reivindicação das empresas, a Prefeitura aguarda a entrega do abaixo-assinado para avaliar o que pode ser feito em relação ao assunto?.
Os pedidos dos empresários já haviam sido repassados aos responsáveis pela pasta de Obras, em uma reunião realizada no fim de fevereiro. Ainda assim, a Prefeitura decidiu aguardar a manifestação, por meio das assinaturas, para dizer se atenderá ou não aos pedidos. Enquanto isso, a obra continua, com a execução do projeto original que mesmo após a conclusão dos trabalhos, continuará prejudicando os empresários, que são muitos no entorno da via e, portanto, como pagadores de impostos, geram receita para o município.
O abaixo-assinado deverá ser entregue na Prefeitura nos próximos dias. Sem uma data para a conclusão dos trabalhos, o temor é de que ao término da obra na avenida, muitas dessas empresas já tenham fechado as portas.

Imprimir
Comentários