A Secretaria de Saúde classificou como ‘vícios insanáveis’ os erros na elaboração e desenvolvimento que levaram à nulidade do Processo Seletivo Simplificado nº. 006/2015, com objetivo de contratação temporária de agentes de saúde.

O processo foi realizado no dia 20 de junho e, posteriormente, segundo comunicado oficial, a pasta responsável pelo processo (Saúde) teve ciência através de ocorrências internas, da participação irregular de candidato(s), na equipe organizadora.

Diante disso, será instaurado um procedimento administrativo para apurar responsabilidade pelo vício de legalidade detectado, com aplicação de todas as penalidades cabíveis, inclusive, se necessário, providências na esfera Judicial e iniciado um procedimento para a realização de novo processo seletivo.

No mês passado, a Prefeitura demitiu por telefone cerca de 30 agentes de saúde deixando vagos os cargos que agora demorarão ainda mais para serem preenchidos.

Na época, não foi apresentada justificativa para as demissões, a não ser a necessidade de economia, o que se contradiz diante da necessidade de realização de processo seletivo para a contratação de pessoas que ocupem os mesmos cargos. Além disso, os valores para o pagamento de salários de funcionários do Programa Saúde da Família são repassados pelo Governo Federal, não podendo ser utilizados para outro fim.

 

Lorene Pedrosa – Redação do Jornal Nova Imprensa

print
Comentários