O presidente da Associação dos Municípios do Lago de Furnas (ALAGO) e também prefeito de Boa Esperança, Hideraldo Henrique Silva, participou nessa quinta-feira (5), da Audiência Pública sobre o estabelecimento do nível das águas em represas, em Brasília.

O requerimento de audiência pública foi protocolado pelo Senador Rodrigo Pacheco (DEM/MG) e aprovado pelo Senador Marcos Rogério (DEM/RO), Presidente da Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado.

O senador Rodrigo Pacheco argumenta em seu pedido de requerimento que a audiência pública é de extrema relevância para a proteção do patrimônio turístico e paisagístico existente, além do aproveitamento dos potenciais hidrelétricos. O Senador destacou a importância dos múltiplos usos da água e ressaltou a importância econômica para o segmento do turismo, da recreação, do lazer e da pesca amadora. “Alguns dos municípios no entorno desses reservatórios são grandes polos turísticos e são fortemente afetados em suas economias quando os reservatórios estão baixos não por conta de causas climáticas, mas pela preponderância da geração hidrelétrica em detrimento dos demais usos. Há, portanto, um desrespeito ao uso múltiplo dos recursos hídricos, fundamento basilar da Política Nacional de Recursos Hídricos”, justificou o Parlamentar no requerimento.

O presidente destacou a importância do estabelecimento de uma cota mínima no reservatório para que os municípios banhados pelo Lago de Furnas não sejam prejudicados, após realizarem investimentos para se adequarem a nova realidade paisagísticas ocasionada pela inundação das áreas. Segundo Hideraldo, os municípios conseguiram superar o trauma de terem perdidos diversas áreas produtivas, realizando investimento em turismo e em novas formas de arrecadação, agora, com a vazão excessiva da água para abastecer a hidrovia Tietê-Paraná, os municípios estão sendo prejudicados novamente. “Adaptamos as nossas economias investindo em turismo, aquicultura, agricultura irrigada, transportes náuticos e em outros segmentos, para recompor as perdas de receitas ocasionadas pelas desapropriações de terras férteis e altamente produtivas”, argumentou o Presidente.

A audiência pública contou com a presença de diversos Prefeitos, Vereadores, Deputados Estaduais e Federais de Minas Gerais. Representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), Operador Nacional do Sistema Elétrico (NOS), Furnas Centrais Elétricas S/A (FURNAS), Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA) E Agência Nacional de Águas (ANA), do Circuito Turístico Lago de Furnas e movimentos ambientais também participaram da audiência pública. O Ministro de Estado do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio esteve no evento e se comprometeu em apoiar a cota 762 do Lago de Furnas.

 

Fonte: Alago||
Imprimir
Comentários