O superlotado Centro de Detenção Provisória (CDP) II de Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo, tem 47% dos detentos contaminados por coronavírus, de acordo com levantamento feito pelo Núcleo Especializado de Situação Carcerária da Defensoria Pública.


Os dados foram obtidos pela defensoria durante inspeção realizada na sexta-feira (7) no CDP II, na Vila Leopoldina.


O Centro de Detenção Provisória II tem capacidade para 793 presos, mas até na segunda-feira (10) tinham 1.609 detentos na unidade, segundo dados da Secretaria da Administração Penitenciária (SAP).


De acordo com a Defensoria, desse total, 752 presidiários foram infectados pelo vírus até sábado no CDP II.


Nesta quarta-feira (12), a SAP divulgou nota atualizando o número de presos com Covid-19 na unidade de Pinheiros. De acordo com a pasta, 816 detentos estavam doentes, mas sem apresentar sintomas.


Segundo a Secretaria da Administração Penitenciária, ocorreram 20 óbitos nas unidades prisionais do estado por causa do coronavírus. Até junho eram 15 presos mortos. Ao todo, 221.060 pessoas presas em São Paulo. Desse total, 3.986 presos testaram positivo para Covid-19.


Agravantes
Além da alta taxa de infectados, a unidade possui diversos problemas de saúde entre os presos, como o aparecimento de feridas pelo corpo. Conhecida como “sarna humana”, as feridas se alastram pelo corpo dos presos, que ainda estão sob um regimento de racionamento de água na unidade.


Por conta da superlotação, é comum encontrar grupos maiores de presos agrupados em uma mesma cela. Segundo a defensoria, os casos suspeitos por Covid-19 não eram separados dos demais. Além disso, falta equipe de saúde no local: a unidade não tem médico no hospital há 9 anos.


O que diz a pasta
Veja abaixo a íntegra da nota da SAP enviada por e-mail para comentar o caso:
“A testagem em massa realizada pelo Governo do Estado às pessoas privadas de liberdade e aos servidores do sistema penitenciário paulista obedece a um cronograma técnico da área da saúde, no qual o Centro de Detenção Provisória de Pinheiros II já foi inserido. Deste balanço, não houve qualquer internação hospitalar, todos estavam assintomáticos e com boa saúde. Entre os presos, 816 tiveram resultado positivo no teste rápido. Na ocasião, foram isolados, mas todos já saíram do isolamento. Entre os servidores, houve o registro de 4 confirmados com Covid-19 e também já retornaram às suas atividades.
A SAP aplicou todas as medidas de higiene e distanciamento preconizados pelos órgãos de saúde desde o início da pandemia, como a distribuição de material de proteção individual (EPIs) a seus servidores, entre máscaras, luvas, aventais e produtos para higienização das mãos, como o álcool gel. Em todo o estado, tivemos 3.986 presos que testaram positivo para Covid-19 – 1,83% da população prisional do estado de São Paulo. Desde o início da pandemia, foram 20 óbitos de reeducandos causados pela doença – uma taxa de letalidade de 0,50%, muito menor que a nacional.
Sobre o déficit de vagas no sistema prisional, a SAP informa que está em andamento a construção de novas unidades prisionais. Em 2019 foram cinco novos presídios e, atualmente, outros oito vão se somar aos atuais, sendo sete deles já em 2020. Além disso, o Governo do Estado de São Paulo vem adotando medidas que vão além da ampliação da infraestrutura prisional, como o incentivo à adoção de penas alternativas ao encarceramento, parcerias com o Poder Judiciário para a realização de mutirões.”

Fonte: G1

Imprimir
Comentários