Embora seja oficial que as Olimpíadas de Tóquio, que começam no dia 23 de julho, terão presença de público com limite de 10 mil espectadores em cada local, o primeiro-ministro do Japão Yoshihide Suga disse, nesta quinta-feira (1º), que considera uma redução neste número ou até mesmo proibir o público durante o evento.

– Existe a possibilidade de não haver espectadores. Em qualquer caso, agiremos tendo a segurança e a proteção do povo japonês como nossa principal prioridade – disse.

Os novos casos de Covid-19 no Japão bateram mais de seis mil durante o mês de maio, mas uma série de restrições fez com que o número caísse para 1.300 no fim de junho. Mas, atualmente, uma pequena alta é vista, com uma média de 1.500. Os números especificamente da capital Tóquio também subiram e estão em uma média de 500 novos casos diários.

Ainda segue oficial que os Jogos acontecerão com a presença de público. Cada evento terá, no máximo, 10 mil pessoas presentes, ocupando 50% de uma arena. Por exemplo, no estádio olímpico, cabem 70 mil pessoas, então serão 10 mil presentes nos eventos no local. Um ginásio que tenha capacidade para 5 mil pessoas terá, no máximo, 2,5 mil.

Suga disse que qualquer nova decisão sobre como lidar com os torcedores locais nas instalações será tomada por consenso entre os governos japonês e metropolitano, o Comitê Olímpico Internacional e o Comitê Organizador.

O principal conselheiro de Suga sobre a COVID-19, Shigeru Omi, e outros especialistas em doenças infecciosas também disseram que realizar os jogos sem espectadores é a “opção mais segura”.

Fonte: G1

print
Comentários