Cerca de 300 pessoas fecharam, na manhã desta terça-feira, um sentido da Avenida Afonso Pena e da Avenida João Pinheiro, na região central da capital. O grupo pedia a implementação do passe livre na capital e melhorias na educação. Ao fim do protesto, os manifestantes fizeram um enterro simbólico da educação na Praça da Liberdade.
A manifestação deixou o trânsito complicado durante a manhã. A concentração teve início por volta das 8h30, na Praça Sete, quando os membros seguiram pela Avenida Afonso Pena e subiram a Avenida João Pinheiro, até a Praça da Liberdade. Durante a caminhada, um ato em frente ao prédio do Detran, antiga sede do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), lembrou os 50 anos do Golpe Militar.

Reajuste na tarifa de ônibus

Nessa segunda-feira, a BHTrans, empresa que gerencia o transporte de passageiros na capital, informou que ainda está analisando o relatório final da consultoria Ernst & Young (EY) para definir o reajuste da tarifa. Nos estudos divulgados na semana passada, há uma recomendação de reajuste de 2,97% sobre a tarifa de R$ 2,65 dos ônibus de Belo Horizonte, que ficaria em torno de R$ 2,73. Mas a BHTrans não fez qualquer previsão nesse sentido.

O último reajuste das tarifas em BH aconteceu em dezembro de 2012. Na ocasião, as passagens nas linhas perimetrais, diametrais, semi-expressas e troncais (ônibus nas cores laranja, azul e verde) passaram de R$ 2,65 para R$ 2,80. Durante as manifestações de junho de 2013, no entanto, o valor foi revisto e a passagem voltou a custar R$ 2,65.

Documento

O relatório com as conclusões da análise da Ernst & Young, empresa contratada para verificar os contratos de concessão dos serviços de transporte público coletivo de BH, pode ser consultado no portal www.bhtrans.pbh.gov.br, na área de transparência.

Imprimir
Comentários