Um vídeo realizado esta semana em um dos laboratórios do Unifor-MG em Formiga poderá acender o pavio para anulação de uma prova de química do concurso de professores da Secretaria de Estado da Educação (SEE) realizada em março de 2015.

No vídeo que mostra cientificamente o erro de uma das questões que estão sendo questionadas judicialmente, os químicos presentes na realização do experimento, Alex Magalhães de Almeida, Cristiane Canto Ferreira e o pesquisador ambiental e professor de química, Evandro Arantes Soares; usando um pH-metro digital de última geração provaram que a resposta da questão de número 32 da prova tem outra resposta, diferente da resposta do gabarito oficial da prova.

 Outros questionamentos

 Segundo o professor Evandro Soares, também as questões de números 23 e 59 estão sendo questionadas por seu gabarito dúbio.

Contra o gabarito da questão de número 59 fora impetrado Mandado de Segurança junto ao Tribunal de Justiça de Minas Gerais, cuja tramitação segue aguardando decisão judicial.

Para a impetração de recurso à segunda instância, o professor arguirá os demais erros encontrados na prova bem como nos editais, tanto no de resultado da prova onde fora detectada uma fraude, e no edital original, onde também fora detectado um vício formal de legislação referente ao item de professor de Ciências da Natureza.

Objeto dos questionamentos

As questões de números 59 e 23 além de fraude no Edital do Resultado e erro na mesma peça (edital SEPLAG/SEE – 04/2014) ao concurso para professores da disciplina do ensino fundamental Ciências da Natureza também deram causa aos questionamentos pelos autores das ações judiciais e também foram alvo de questionamentos por parte do professor Evandro que também encaminhou reclamações  (denúncias) à Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais e ao Conselho Regional de Química.

Confira o vídeo:

print

Comentários