O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), deflagrou na manhã desta segunda-feira a terceira fase da Operação Hexagrama contra quadrilha de jogos de azar em Belo Horizonte e Região Metropolitana.

Foram cumpridos 18 mandados de prisão preventiva de policiais militares, 12 mandados de prisão preventiva de policiais civis e outros três mandados de prisão preventiva, além de 60 mandados de busca e apreensão.

As ordens judiciais autorizaram a entrada em residências e em locais de trabalho dos policiais civis e militares em BH, Ribeirão das Neves, Santa Luzia, Esmeraldas, Contagem, Nova Lima, Vespasiano, Sabará, Betim e Lagoa Santa, todas na Grande BH.

A primeira fase da operação foi feita no dia 6 de março de 2020, quando 14 pessoas foram presas, entre elas dois policiais civis e cinco policiais militares, envolvidas na exploração de jogos de azar, em Belo Horizonte, e em outras quatro cidades da região metropolitana.

Com a continuidade das investigações, foram identificados outros 32 novos integrantes do grupo criminoso, entre eles 18 policiais militares e 12 policiais civis, alvos da fase deflagrada nesta segunda.

A organização criminosa está sendo investigada pela prática dos crimes de corrupção ativa, corrupção passiva, exploração ilegal de jogos de azar, homicídio, extorsão, ameaça, lesão corporais, dano ao patrimônio, destruição de cadáver, comércio ilegal de armas de fogo de uso restrito e acessórios, disparo de arma de fogo em via pública e lavagem de dinheiro.

Participaram da operação quatro promotores de Justiça, 54 policiais militares da Corregedoria-Geral da Polícia Militar, oito policiais militares do Batalhão Rotam e 70 policiais civis da Corregedoria-Geral da Polícia Civil. A ação conta ainda com o apoio do Batalhão Rotam da Polícia Militar de Minas Gerais, da Corregedoria-Geral da Polícia Militar e da Corregedoria-Geral da Polícia Civil.

Matéria da Rádio Itatiaia

Imprimir
Comentários