Quase 15 mil pessoas precisam ser resgatadas rapidamente nas zonas inundadas de Moçambique depois da passagem do ciclone Idai, anunciou nesta quinta-feira (21) o ministro do Meio Ambiente, Celso Correia.

O ciclone deixou mais de 300 mortos em Moçambique e Zimbábue, mas a expectativas das autoridades é de que esse número aumente. “Quase 15 mil pessoas que não estão bem. Estão vivas (…) mas devemos socorrê-las, retirá-las da região”, afirmou o ministro do Meio Ambiente.

 Na quinta-feira passada (14), o ciclone Idai destruiu a cidade portuária de Beira, a segunda maior de Moçambique, com ventos de mais de 177 km/h, seguidos de chuvas torrenciais. Várias localidades ficaram inundadas. Depois, o ciclone seguiu para os países vizinhos Zimbábue e Malawi.

Vista aérea mostra danos em Beira, em Moçambique, após passagem do ciclone Idai. Registro foi feito em 18 de março — (Foto: Centro de Clima da Cruz Vermelha / IFRC via Reuters)

Organizações não governamentais relatam que as vítimas do ciclone aguardam por ajuda nos telhados ou em árvores.

 

Fonte: G1||

print

Comentários