Em concurso público para o Instituto Nacional de Seguro Social (INSS), Lucas Soares Fontes, branco de olhos verdes, pintou o rosto e os braços e utilizou lentes de contato escuras para ser aprovado. Após denúncia anônomima, o ex-servidor passou por processo administrativo e foi exonerado.

Aprovado em concurso do Cebraspe para técnico da unidade de Além Paraíba (MG), do INSS, Lucas Soares Fontes foi alvo de processo administrativo no INSS após denúncia de que ele teria falsificado fotografias enviadas à empresas responsável pelo concurso.

Com o Processo Administrativo nº 35000.001507/2018-01, movido pelo superintendente do INSS no Sudeste, Paulo Cirino, a Divisão de Desenvolvimento de Carreiras do INSS solicitou novas imagens ao servidor, que informou que na certidão de nascimento constava a cor “parda”, além de enviar documentos que comprovavam “aprovação e homologação” em outros processos seletivos por meio de cotas.

A Cebraspe, então, solicitou novas fotos candidato, para comparar com a imagem da inscrição, mas elas também não pareciam reais. Com isso, a banca pediu imagens da carteira de motorista do candidato e, então, concluiu que ele não cumpria os requisitos para a vaga de cotista e deveria ter sua aprovação anulada, além de recomendar a exoneração por parte do INSS.

Lucas foi exonerado INSS na sexta-feira (7), tendo a portaria divulgada no Diário Oficial da União (DOU) nesta segunda-feira (10).

A Portaria 1.322 de 7/6/19 tornou sem efeito a nomeação de Lucas Soares Fontes como servidor do INSS em Juiz de Fora, na Zona da Mata. Fontes fez concurso público para técnico do seguro social realizado em 2015 e teria tingido a pele e usado lentes de contato para poder concorrer a vagas destinadas a candidatos declarados negros.

Imprimir

Fonte:

Revista Forum