Redescobrindo a pólvora

Engenheiro mineiro reinventa a geração de energia elétrica a partir da energia hidráulica

A idéia que para muitos era louca, se tornou realidade no bairro Pampulha em Belo Horizonte, quando o engenheiro Pítias Apgaua, em meio à muita festa e comemorações de amigos e membros de sua família, que mesmo com alguma (ou muita) descrença o apoiaram durante os mais de 6 anos de pesquisas ininterruptas para que, finalmente agora, seu protótipo construído com muito sacrifício, demonstrasse que Pitias está correto na defesa de sua tese.
Realmente ele conseguiu gerar energia de ótima qualidade (trifásica), com alguns litros de água armazenada a 10 metros de altura, duas tubulações especialmente dimensionadas, (l de descida e 1 de recalque), 1 gerador, uma turbina e alguns equipamentos a eles acoplados e destinados a auxiliar no retorno da água ao seu ponto de origem.
A energia produzida alimenta o próprio sistema e ainda há uma sobra considerável, o que, o torna economicamente viável.
Segundo o Dr. Pítias, o novo sistema por ele desenvolvido é capaz de, conforme demonstram seus estudos, atender à demanda da grande maioria das edificações existentes, inclusive de indústrias, a custos compensadores.
Cada caso é um caso, mas os que já estudamos nos apontam para a possibilidade de geração própria de até 80% da energia atualmente demandada, havendo ainda, com a economia que a implantação do sistema permite a possibilidade de amortização do custo do novo sistema em prazos que variam de 36 a 60 meses.
Como disse, ?cada caso é um caso?. O princípio, é claro, é um só, mas o conjunto de equipamentos será dimensionado de acordo com as exigências das varáveis (altura, consumo projetado, etc). Esta é uma PCH do ano 2007 que certamente atenderá o mundo num futuro bem próximo, concluiu.
O novo sistema, segundo o que observamos no protótipo em funcionamento, inaugura um novo paradigma para o de geração de energia elétrica de origem hidráulica, pois ocupa espaço reduzido, quando comparado com as PCHs convencionais, utiliza volume de água constante,já que a água utilizada pelo sistema na geração de energia, incontinenti retorna ao seu tanque de origem, realimentando o sistema indefinidamente.
Além desta patente, o engenheiro Pítias Apgaua possui outras invenções suas, também ligadas ao uso da água, priorizando sempre a preservação deste precioso líquido e do meio ambiente.
Contatos com o pesquisador/inventor, podem ser feitos através do Nova Imprensa ou do e-mail egpenge@ig.com.br.

Imprimir