O senador Reguffe (sem partido-DF) anunciou nesta segunda-feira (28), em uma rede social, o lançamento da sua pré-candidatura à Presidência do Senado Federal.

A eleição está marcada para a próxima sexta (1º), mesmo dia em que os eleitos em outubro tomarão posse.

“Decidi ser candidato à presidência do Senado”, escreveu Reguffe.

Em um vídeo postado em outra rede social, Reguffe diz que o país precisa de um Senado “mais transparente e que custe muito menos para o contribuinte do que custa hoje”.

“Vou usar a minha candidatura para forçar que alguns temas tenham que ser obrigatoriamente debatidos, como o custo do Senado Federal para o contribuinte brasileiro”, afirmou.

No vídeo, Reguffe apresenta as suas propostas caso seja eleito. Ele defende o fim dos salários extras dos senadores, da verba indenizatória, do plano de saúde vitalício dos senadores e dos carros oficiais. Ele também propõe reduzir o número de assessores por gabinete (dos atuais 55 para 12).

Reguffe irá se somar à lista de pré-candidatos declarados e cotados para o comando do Senado. Caso as intenções se convertam em candidaturas, a eleição de 2019 terá nove candidatos e será a recordista em número de concorrentes desde a redemocratização.

Desde 1985 – quando se encerrou a ditadura militar – a eleição para a presidência do Senado que mais registrou candidatos foi a de 2001, disputada por três parlamentares: Jader Barbalho (MDB-PA) e os ex-senadores Arlindo Porto (PTB-MG) e Jefferson Peres (PDT-AM). Na ocasião, Jader saiu vitorioso.

Dono da maior bancada do Senado na próxima legislatura – com 12 senadores –, o MDB reivindica o direito de comandar mais uma vez a Casa. A princípio, a sigla pode ter dois candidatos na corrida pela presidência do Senado.

Veja quem são os pré-candidatos ou cotados:

  • Alvaro Dias (Pode-PR)
  • Ângelo Coronel (PSD-BA)
  • Davi Alcolumbre (DEM-AP)
  • Esperidião Amin (PP-SC)
  • Major Olímpio (PSL-SP)
  • Reguffe (sem partido-DF)
  • Renan Calheiros (MDB-AL)
  • Simone Tebet (MDB-MS)
  • Tasso Jereissati (PSDB-CE)

 

 

Fonte: G1||

Imprimir

Comentários