A represa de uma hidrelétrica em construção no sul do Laos se rompeu e inundou vilarejos da região, informaram nessa terça-feira (24) autoridades locais. A agência oficial do Laos afirma que há mortos, embora não tenha divulgado o número. Centenas de pessoas estão desaparecidas e mais de 6 mil estão desabrigadas.

A represa Xepian-Xe Nam Noy, situada a 550 km da capital Vientiane, se rompeu na noite dessa segunda-feira (23), liberando 5 bilhões de metros cúbicos de água. Brigadistas e barcos foram enviados à área do distrito de San Sai, na província de Attapeu. Chove muito na região.

A água atingiu seis aldeias na região e obrigou cerca de 6,6 mil pessoas a deixarem suas casas. Imagens divulgadas pela imprensa internacional mostram moradores ilhados nos tetos das casas.

A empresa que está construindo a represa disse que chuvas fortes e enchentes provocaram o rompimento e que está cooperando com o governo do Laos para ajudar a resgatar os moradores de vilarejos nas vizinhanças da represa.

“Estamos montando uma equipe de emergência e planejando para ajudar a evacuar e resgatar os moradores de vilarejos próximos da represa”, disse um porta-voz da SK Engineering & Construction à Reuters por telefone.

De acordo com a BBC, as obras da hidrelétrica começaram em 2013.

Laos: ‘bateria da Ásia’

O comunista Laos, um dos países mais pobres e fechados da Ásia, almeja se tornar a “bateria da Ásia” vendendo energia a seus vizinhos por meio de uma série de hidrelétricas.

Há anos grupos ambientalistas vêm alertando para as ambições das hidrelétricas do Laos, inclusive por temerem o impacto das represas no Rio Mekong, em sua flora e fauna e nas comunidades rurais e economias locais que dependem dele.

A represa rompida deveria iniciar suas operações comerciais em 2019 e exportar 90% de sua energia para a Tailândia. Os 10% restantes seriam vendidos para a rede elétrica local.

Imagem aérea mostra região inundada na província de Attapeu, no Laos, após ruptura de represa (Foto: ABC LAOS / AFP)

 

Fonte: G1 ||

Imprimir

Comentários