07 de janeiro ? O ano em Formiga começou dando indícios do que mais tarde colocou a cidade em estado de emergência, com problemas relacionados à falta d?água. Logo nos primeiros dias de 2014, residências localizadas nos bairros Novo Horizonte, Engenho de Serra e Santa Teresa já estavam há 15 dias sem serem abastecidas.
14 de janeiro ? Ministério Público propôs uma Ação Civil Pública contra o município por causa da falta d?água e devido aos problemas, o então diretor do Saae, Gonçalo Faria foi dispensado do cargo. O posto na autarquia foi assumido pelo então secretário de Planejamento e Regulação Urbana, Rafael Tomé.
31 de janeiro ? Juiz acatou pedido de liminar do Ministério Público sujeitando à Prefeitura, em caso de descumprimento das determinações (ágil fornecimento de água para moradores da cidade), ao pagamento de multas que variavam de R$500 a R$500 mil.
15 de maio ? O prefeito Moacir Ribeiro publicou decreto aumentando tarifas do Saae em 25%. Em março, Moacir por meio do decreto 6116, pretendia reajustar as tarifas do Saae para residências, comércio e indústrias em 150%, 165% e 237%, respectivamente, mas acabou desistindo após forte pressão popular.
16 de maio ? Os vereadores Mauro César e Arnaldo Gontijo, juntamente com o professor e ex-vereador Cid Corrêa protocolaram no Ministério Público, documento pedindo que o MP ajuizasse uma Ação Civil Pública contra o município, em face do decreto que reajustou as tarifas de água/esgoto.
26 de junho ? O reajuste nas contas fez crescer a inadimplência na cidade. Até o dia 30 de maio, chegava a 10.206 o número de inadimplentes com a autarquia, que deixou de arrecadar R$727.410 nesse período.
17 de setembro ? Estiagem fez despencar o nível da barragem do Saae e Prefeitura precisou estabelecer escala de racionamento de água em toda a cidade.
19 de setembro ? Prefeitura decretou estado de emergência e instituiu multa em caso de desperdício de água por meio do Decreto 6285.
9 de outubro – Vazão de água no Saae caiu para menos da metade. A vazão normal de chegada de água bruta do Saae era de 187 litros por segundo e caiu para 90 litros em média, o mais baixo da história.
18 de outubro ? Para minimizar os problemas da falta d?água em Formiga, o Saae furou mais quatro poços artesianos na cidade localizados: próximo ao Tiro de Guerra (Cristo), Santa Luzia, próximo à sede do Saae, no Novo Horizonte e no Nossa Senhora de Lourdes e quatro na zona rural sendo dois em Cunhas, um em Nova Zelândia e um em Fivela. Com o passar dos dias, o problema de abastecimento foi superado.

print
Comentários