O preço da cesta básica em fevereiro ficou mais caro em 14 das 18 capitais pesquisadas pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). O maior valor apurado foi em São Paulo, onde o consumidor teve de desembolsar R$ 378,86 para comprar produtos de consumo básico. Considerando este valor, os economistas do Diesse entendem que o salário mínimo ideal para suprir as despesas básicas de uma família composta por quatro pessoas deveria ser de R$ 3.182,81. “Esse valor é 4,04 vezes maior do que o mínimo de R$ 788”, ressalta a nota da entidade.

A medida do Dieese mostra o aumento do custo de vida. Em fevereiro do ano passado, o valor necessário para atender às despesas de uma família era R$ 2.778,63, ou 3,84 vezes o salário mínimo então em vigor (R$ 724).

Os produtos que mais subiram nas capitais foram feijão, tomate, café e óleo de soja. A carne bovina, produto de maior peso na composição da cesta básica, ficou mais cara em nove capitais.

Redação do Jornal Nova Imprensa O Tempo

print
Comentários