A Secretaria de Estado de Saúde (SES-MG) confirmou nessa segunda-feira (18) a morte de uma pessoa por dengue em Arcos. Conforme o boletim, estão sendo investigados 17 óbitos pela doença. Além de Arcos, Betim, Uberlândia e Unaí também tiveram mortes confirmadas.

Em janeiro, cinco casos de morte por suspeita de dengue hemorrágica em Arcos estavam sendo investigados.

No levantamento divulgado nessa segunda, também foi possível verificar um novo aumento no número de casos prováveis de dengue nas 54 cidades que integram a Superintendência Regional de Saúde (SRS) de Divinópolis, no Centro-Oeste de Minas.

No último levantamento publicado na terça-feira passada (12), o número de casos prováveis da doença havia crescido 27,34% em relação à semana anterior e chegou a 4.204 casos notificados no ano até agora. Agora, o número cresceu mais 12,47% e o número de casos notificados na região, até o momento, é de 4.526 casos.

Arcos

Arcos segue liderando o ranking de casos prováveis da doença nos municípios que integram a SRS em Divinópolis, com 1.937 notificações – no último levantamento, eram 1.852. Uma morte por dengue foi confirmada até o momento na cidade.

Em todo o estado, o município está atrás de Contagem que registrou 1.944 casos, Unaí com 2.032, Belo Horizonte que teve 4.078 notificações, Betim com 5.620 notificações, e Uberlândia que teve 6.552 notificações.

Segundo a SES-MG, Arcos tem uma taxa de incidência de 4865,49 no número de casos suspeitos da doença – índice considerado muito alto pelo Ministério da Saúde.

A taxa de incidência da doença considera não apenas o número absoluto de casos prováveis (entre suspeitos e sob investigação), mas também a proporcionalidade dos casos em relação ao tamanho da população de um determinado município.

A Prefeitura de Arcos informou em nota que segue focada nas multas aos proprietários de terrenos baldios e lotes vagos do município.

Outros municípios

Além de Arcos, Iguatama, Martinho Campos, Lagoa da Prata, Pimenta, Pains e São Gonçalo do Pará também aparecem com uma taxa de incidência considerada muito alta no período analisado.

Com 526 casos prováveis de dengue, Lagoa da Prata teve a taxa de incidência calculada em 1027,26. Martinho Campos por sua vez, teve 341 casos suspeitos da doença no ano e taxa de incidência calculada em 2537,96 – apesar de ter menos notificações do que Lagoa da Prata, Martinho Campos possui menos habitantes e, por isso, taxa de incidência mais elevada.

Iguatama teve taxa de incidência calculada em 1443,95. Em Pimenta, a incidência foi de 825,69. Pains, com 55 casos em investigação, teve a incidência de 655,46. Já São Gonçalo do Pará teve a incidência calculada em 1435,13.

Já os municípios de Candeias, Japaraíba e Luz tiveram sua taxa de incidência considerada altas pela SES-MG. Candeias teve 60 notificações de dengue até agora no ano e a taxa de incidência no município foi calculada em 396,12.

Japaraíba tem 14 casos em investigação e teve a taxa de incidência avaliada em 324,98. Luz teve 57 notificações e uma taxa de incidência de 309,78.

A maior cidade da região, e sede da SRS, Divinópolis está com taxa de incidência considerada média – a cidade teve 236 casos prováveis da doença no ano. Já Nova Serrana, com 200 casos em investigação, teve a taxa de incidência calculada em 211,24.

 

 

 

Fonte: G1||

Imprimir

Comentários