A coordenadora pedagógica, Elisane Cunha e o secretário, Cid Corrêa (Foto: Priscila Rocha/Últimas Notícias)

Redação Últimas Notícias 

Buscando respostas para os questionamentos recebidos pelo Últimas Notícias dando conta do descontentamento de alguns pais e alunos diante de problemas por eles apontados na estrutura do prédio que hoje abriga a Escola Municipal de Música Eunézimo Lima (Emmel), o portal, em visita ao local, conferiu as acomodações e ouviu do secretário de Educação, Cid Corrêa sobre as questões postas. No dia 5 deste mês, a Emmel  foi transferida para o prédio do Museu Histórico Municipal Francisco Fonseca.

Uma das questões que gerou críticas foi a acústica da nova sede. As salas são separadas por divisórias que não isolam o som de um ambiente para outro. Sobre isto, o secretário e a coordenadora pedagógica Elisane Cunha, que acompanharam a visita do UN, garantiram que o problema será resolvido até o final do ano. Conforme o secretário, o teto e as divisórias receberão isolamento.

O único isolamento acústico que não poderá surtir efeito no local é o que inibe a “sinfonia mecânica” do trem. Durante a visita do portal, a composição chegou à estação fazendo um barulho estrondoso. Mas, como os ouvidos de todo morador de Formiga são treinados para tal “sinfonia”, após a passagem do trem, as aulas seguiram normalmente.

Foto: Priscila Rocha/Últimas Notícias

Enquanto as melhorias previstas não são realizadas, a coordenadora da escola reorganizou o cronograma de aulas para que a falta de isolamento acústico entre as salas seja amenizada. “Criei um cronograma para que não ocorram aulas simultâneas”, disse Elisane Cunha.

Referente à reclamação de que as imediações da estação ferroviária servem de abrigo a usuários de drogas, Cid informou que o problema foi resolvido com a suspensão das aulas noturnas na área externa da escola. “Apenas a sala onde ocorrem as aulas de bateria está localizada na área externa, desta forma, suspendemos as aulas noturnas do instrumento. Após as 18h fechamos as portas da área externa e as demais aulas ocorrem em segurança dentro da escola”.

Sala de bateria (Foto: Priscila Rocha/Últimas Notícias)

A mudança da Emmel para o museu ocorreu devido à realocação do Centro Municipal de Apoio a Aprendizagem (Cemap) para o antigo prédio, no bairro Sagrado Coração de Jesus. Em fevereiro de 2017, a instituição foi unificada ao Caic que apresentava ociosidade de espaço. “Porém, o número de estudantes tanto do Caic quanto do Cemap aumentou consideravelmente e o local ficou pequeno para as duas instituições, desta forma, tivemos que realocar o Centro de Aprendizagem para a antiga sede”, informou Cid.

Já a mudança da escola de música para a sede da Universidade Aberta do Brasil (UAB), na rua Alderico Nogueira, no bairro Sagrado Coração de Jesus ocorreu com a intenção de atender a uma reivindicação antiga de moradores da região da Chapada que reclamavam da distância da escola quando esta era situada no bairro Quartéis. “Após a mudança, os estudantes que residem na região da antiga sede também reclamaram da distância e nossa intenção foi escolher um local centralizado, que atendesse a todos”, revelou o secretário.

A decisão, ao que parece, surtiu efeito. Em apenas 15 dias, 120 interessados em aprender um instrumento procuraram a escola. A mudança foi positiva também na frequência dos alunos que, conforme Elisane disse, saltou de 85% para 95%. A coordenadora pedagógica não informou quantos alunos desistiram das aulas devido às mudanças de horário.

Apesar da escola estar em nova sede, os ensaios das bandas ainda serão realizados no auditório da UAB. “Nossa ideia era levar o museu para a antiga Casa do Engenheiro, onde hoje funciona a Secretaria de Cultura e no espaço construir um auditório”, disse Cid.

Sobre a união do museu com a música da Emmel, o que para muitos não funciona, já que a visita ao museu combina introspecção com observação das exposições, o secretário declarou que a música não atrapalha ‘tanto’. “Alguns visitantes do museu quando ouvem a música aproveitam para conhecer a escola”.

 Mudanças

Inaugurada em 1995, a Emmel fazia parte da Secretaria de Cultura e passou a ser gerida pela Secretaria de Educação e Esportes no atual governo. De acordo com Cid, além da situação da escola ter melhorado, em relação à falta de materiais e pagamento de professores, os cronogramas de ensino também foram modificados. “Antes um aluno da Emmel estudava um longo tempo o que não permitia o ingresso de outros interessados. Agora os cursos ocorrerão em módulos e haverá um prazo para os estudos serem finalizados, assim poderemos abrir vagas para outras pessoas”, explicou.

Atualmente a escola conta com mais de 400 alunos entre 7 e 75 anos e oferece aulas de 10 instrumentos: viola, violão, guitarra, piano, teclado, bateria, baixo, metais, flauta e paletas.

De acordo com Elisane, a mudança de secretaria e de local permitirá que seja implantada nas escolas a educação musical. “Nesta semana fomos procurados pela diretoria da Escola Normal que implantará a educação musical para os alunos do ensino integral. Como estamos próximos à escola, os estudantes terão aulas de música durante as tardes de terça-feira na Emmel”.

Mudanças também ocorrerão nos eventos promovidos pela escola como o ‘Terça Maior’. Antes, as apresentações dos alunos eram realizadas no auditório da UAB, a partir de setembro, segundo Elisane, serão realizadas na rua em frente ao museu. “Pretendemos chamar a atenção da comunidade e fazer uma grande festa nas realizações do ‘Terça Maior’”.

“O papel da Emmel em Formiga é social e pedagógico, pretendemos implementar diversos projetos que favoreçam a comunidade”, finalizou Cid Corrêa.

Durante a visita, a equipe do UN teve a oportunidade de assistir trecho de uma aula de flauta em que alunos executavam músicas e interagiam com a professora.

Imprimir