A saída de dois importantes assessores do ministro da Economia, Paulo Guedes, confirma a reação negativa da equipe econômica às articulações da ala política do governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) para driblar o teto de gastos. 

Em nota, a pasta divulgou, nesta quinta-feira (21), a demissão do secretário especial do Tesouro e Orçamento, Bruno Funchal, e do secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt. 

Além deles, a secretária especial adjunta do Tesouro e Orçamento, Gildenora Dantas, e secretário-adjunto do Tesouro Nacional, Rafael Araújo, também pediram exoneração.

Os quatro secretários faziam parte da cúpula do Ministério da Economia e revelam a fragilização do governo Bolsonaro depois que foi anunciado o valor mensal de R$ 400 do Auxílio Brasil, furando o teto de gastos.

Fonte: O Tempo

print
Comentários