A temida zona de rebaixamento da Série B segue como realidade para o Cruzeiro. O empate diante do CRB fez a equipe sair do Z-4 momentaneamente, mas, no dia seguinte, o empate do Figueirense volta a Raposa ao grupo dos últimos quatro últimos colocados. Agora de gás novo, com a chegada do técnico Ney Franco, que substituirá o demitido Enderson Moreira, o Cruzeiro tentará encerrar o jejum como mandante e também na competição nacional.

O jejum quase caiu diante dos CRB. O time de Enderson Moreira vencia a partida por 1 a 0 até os 39 minutos do segundo tempo, quando um passe errado na defesa fez a bola parar nos pés do atacante Léo Gamalho. O carrasco da Raposa agiu novamente. Artilheiro do Brasil com 16 gols, fez quatro só nas redes de Fábio (em três jogos). A última vitória celeste no Mineirão foi em 8 de agosto.

O Cruzeiro superou o Botafogo-SP na estreia da Série B, no sufoco, e se motivaria para somar mais seis pontos em sequência, contra Guarani-SP e Figueirense, ambos fora de casa. Depois, o clube celeste perdeu para Chapecoense e América no Gigante da Pampulha, ambos pela Série B. Agora, a próxima chance é na sexta-feira, quando o Vitória visita a Raposa, às 21h30 (de Brasília, pela nona rodada.

São seis tropeços seguidos – ainda houve o empate diante do Confiança, em Sergipe, os dois confrontos contra o CRB (empates de 1 a 1, pela Copa do Brasil e o da oitava rodada da Série B).

O atual jejum de vitórias celestes é o maior deste a reta final de 2019, quando o Cruzeiro foi rebaixado com nove jogos consecutivos em vencer – cinco derrotas em sequência após quatro empates, um atrás do outro.

Matéria do GE

Imprimir
Comentários