A nova legislação vai beneficiar mais de duas milhões de pessoas, de acordo com o “New York Times”.

O texto agora é encaminhado ao Executivo para ser sancionado. O presidente Andrés Manuel Lopez Obrador foi eleito com uma plataforma de defesa dos trabalhadores e deve aprovar as mudanças.

Caso a lei entre em vigor, os chefes precisarão formalizar os contratos escrito com as empregadas domésticas e especificar que elas terão direito a salário mínimo e benefícios de outras categorias.

Proíbe-se o trabalho de menores de 15 anos e agora é preciso dar nove horas de descanso.

Grupos organizados fizeram campanha para regularizar o trabalho doméstico durante décadas. O filme “Roma” fez o debate reacender no país.

IMPRIMIR

Fonte:

G1