Dois congressistas bolivianos da situação e da oposição trocaram socos e chutes nessa terça-feira (8) durante uma sessão pública que recebia o informe de um ministro do governo sobre a detenção da ex-presidente de direita Jeanine Áñez, em março passado.

O senador Henry Montero, do partido de direita Cremos – da oposição – e o deputado Antonio Gabriel Colque, do governista Movimento Ao Socialismo (MAS), trocaram agressões públicas, segundo imagens divulgadas pela TV.

A conturbada sessão ocorreu durante o informe do ministro do Governo (Casa Civil), Fernando del Castillo. 

O ministro fez um relato do conflito político na Bolívia, desde a renúncia, em 2019, do então presidente de esquerda Evo Morales e repetiu a acusação da situação à oposição de que houve um golpe de Estado então.

“A história demonstrou que o povo se impôs ao governo de fato (de Áñez), agora já sabemos a verdade, houve um golpe na Bolívia que matou pessoas e que roubou o dinheiro dos bolivianos”, disse a autoridade.

Os opositores destacaram que a detenção de Áñez, em meados de março passado, foi uma violação da lei. Também rejeitam a acusação de golpe de Estado e reivindicam que o povo se levantou em novembro de 2019, denunciando fraude por parte de Morales nas eleições de um mês antes.

O ministro Del Castillo gritou-lhes “cúmplices, cúmplices!” do suposto golpe aos parlamentares do Cremos, liderados pelo governador da próspera região de Santa Cruz (leste), Luis Fernando Camacho, peça-chave na queda de Morales.

O congressista Montero pediu respeito e foi em seguida empurrado por Colque e outros legisladores governistas que o cercavam. Montero e Colque trocaram chutes e socos e o governista foi derrubado no chão, sob os golpes do opositor.

Em outro local do Congresso, na praça de Armas de La Paz, as parlamentares Tatiana Áñez, do Cremos, e María Alanoca, do MAS, também se empurraram e puxaram os cabelos uma da outra.

A sessão do Congresso foi suspensa durante vários minutos até diminuir o clima de beligerância, e o ministro Del Castillo continuou com seu informe.

Fonte: O Tempo Online

print
Comentários