Servidores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) vão entrar em greve a partir da próxima terça-feira (19). Segundo o jornal O Tempo, a decisão foi tomada durante assembleia da categoria nesta semana.

De acordo com o coordenador geral do Sindicato dos Servidores da Justiça de Segunda Instância do Estado de Minas Gerais (Sinjus-MG), Wagner Ferreira, os servidores estão insatisfeitos com a falta de cumprimento de direitos trabalhistas. “O grande motivo da greve é que o TJMG nega os nossos direitos e cumpre os direitos dos magistrados”, explica.

Na pauta de reivindicações, os servidores pedem o pagamento da data-base de 2018 – mês em que é feita a recomposição inflacionária dos salários –, além da implementação do auxílio-transporte, no valor de R$ 150, e do auxílio-saúde, que varia de acordo com a idade do servidor, entre R$200 e R$300.

Em janeiro deste ano, após decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), juízes e desembargadores tiveram aumento salarial de 16,38%. De acordo com Ferreira, além do salário, a decisão elevou automaticamente o valor do auxílio-saúde dos magistrados. “A gente tem tentado negociar com o tribunal, mas, em quatro ou cinco ofícios, eles alegaram a impossibilidade de atender as demandas devido à crise fiscal do Estado. Enquanto isso, o auxílio-saúde dos magistrados foi elevado para R$3.547”, contou o dirigente do Sinjus ao O Tempo.

O aumento ocorreu porque o valor pago do benefício é igual a 10% do salário dos juízes e desembargadores. Ferreira também criticou gastos do TJMG no início deste mês. “No dia 1º de março, foram pagos R$29 milhões em férias-prêmio aos que tinham direito. Enquanto isso, nossos benefícios não foram implementados”, disparou.

Como primeiro ato de greve, os servidores prometem uma manifestação na próxima terça-feira, às 12h30, em frente à sede do TJMG. Na sexta-feira (15), o presidente do tribunal, desembargador Nelson Missias, enviou um ofício ao Sinjus em que diz que “não se reconhece a legitimidade das razões alegadas para sustentar o movimento grevista a ser iniciado”. O magistrado justificou que o pagamento do auxílio-saúde já foi anunciado para o mês de maio e que o pagamento da data-base de 2018 está na pauta da gestão, “entretanto deverá ser tratado em momento oportuno, que permita melhor aferição orçamentária”. Uma reunião com o sindicato também foi marcada para segunda-feira (18).

IMPRIMIR

Fonte:

O Tempo