Suspeitos de integrarem uma quadrilha que pratica inúmeros crimes em municípios de Minas Gerais e São Paulo, servidores públicos são procurados e podem ser presos ainda na manhã desta terça-feira (24). A ação é parte de uma operação coordenada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

As atividades dos suspeitos eram voltadas a um esquema para enriquecimento através de práticas ilícitas. A quadrilha é tão grande que são 42 mandados de prisão contra supostos integrantes e outros 71 de busca e apreensão aos bens adquiridos através dos delitos cometidos.  

Todos estes são cumpridos em Patos de Minas, Patrocínio, Presidente Olegário, Serra do Salitre, Araxá, Uberaba, Uberlândia, Sete Lagoas e Monte Carmelo, além de São Paulo, Mairiporã e São José do Rio Preto. Nestes pontos, os suspeitos são responsáveis por inúmeras violências e infrações, desde falsidade ideológica até homicídio, cárcere privado e roubo de cargas. 

De acordo com as investigações, iniciadas ainda em março deste ano, os servidores criminosos até inseriam dados falsos em sistemas de informação da administração pública. O mandante da quadrilha e alguns dos executores já tinham sido presos àquela época. 

‘Deusa do equilíbrio’

Chamada operação “Nêmesis”, a ação do Gaeco se refere à personalidade da deusa grega, que punia o comportamento desviante dos homens que quebravam as leis estabelecidas. 

Para tentar deter todos os suspeitos, agentes do Grupo de Atuação, mais de 200 policiais militares, promotores de Justiça, analistas do Ministério Público e servidores do Poder Judiciário estão nas ruas. 

 

Fonte: O Tempo Online||
Imprimir
Comentários