Cerca de 80 servidores municipais se reuniram na manhã desta quinta-feira (8), na sede da Prefeitura de Formiga para reivindicar o salário de dezembro, já que a administração municipal comunicou somente ontem, que o pagamento só ocorrerá no dia 14. Antes, o pagamento era feito no último dia do mês, em seguida, passou para o 5º dia útil do mês subsequente, como determina a lei e ainda assim tem ocorridos atrasos maiores.
Com apitos e nariz de palhaço, os funcionários municipais gritavam que queriam receber e foram informados que o prefeito Moacir Ribeiro não estava na cidade mas que o chefe interino de Gabinete, José Terra (Terrinha), os receberia.
Com a manifestação, Terrinha ao adentrar no hall de recepção do gabinete, deixou claro que com aquela ?bagunça e gritaria? não iria atender ninguém e, se fosse o caso, chamaria a polícia.
Em seguida, durante reunião com membros do Sintramfor e com a presença de alguns representantes de órgãos de imprensa, Terrinha foi por várias vezes questionado sobre a atual situação e explicou que o município, assim como o país, passa por problemas orçamentários. ?Perdemos mais de um milhão de Fundo de Participação. Não vou mentir ou enrolar vocês, não temos condições e o pagamento só será feito no dia 14, mesmo?.
De acordo com a servidora Edir do Carmo, não houve diminuição no repasse da verba do Fundeb, que é destinada ao custeio dos educadores dos municípios. ?Queremos o pagamento hoje e não podemos mais aceitar essa situação. Toda vez temos que sair às ruas para reivindicar?, disse a sindicalista.
Os servidores questionaram ainda por quais motivos vários fornecedores foram pagos pela Prefeitura e eles não. ?Nunca achei que iríamos chegar a esse ponto, de ter que brigar para ter que receber. Isso é um ato democrático. Bagunça é o que eles estão fazendo com os nossos salários. Somos leigos, mas não somos burros?, comentou indignada a professora Márcia Couto.
Em relação ao Portal da Transparência, os membros do sindicato, diante das respostas do atual Secretário de Administração interino na Chefia de Gabinete ? Terrinha -questionaram: ?o que está fixado ali, é mentira então?? De acordo com o presidente do Sintramfor, Natanael Alves Gonzaga, o portal exibe informações de que a arrecadação no ano passado foi de R$102 milhões e os gastos havidos chegaram a R$98 milhões, ou seja, a Prefeitura teria, no entender do sindicalista, um superávit de R$4 milhões. ?Essa informação não procede, não existem esses R$4 milhões, não somos loucos de esconder esses recursos. Desde o ano passado que o orçamento vem minguando?, explicou Terrinha.
Em relação à justificativa de que o pagamento está atrasado em razão dos vereadores não terem aprovado o projeto que reajusta o IPTU, conforme informado em nota enviada à imprensa, Terrinha disse que não é bem assim. ?A não aprovação do IPTU poderá comprometer o salário dos funcionários, mas isso seria futuramente. Sobre a situação atual, isso não tem nada a ver?.
Terrinha comunicou ainda que terá que ser feito um corte de pessoal na Prefeitura e que o reajuste do piso salarial dos professores, recém-aprovados, será mais um problema para a administração municipal.
A nota enviada a imprensa explica também que várias cidades estão passando pelo mesmo problema, em relação a pagamentos. Questionado por duas vezes, Terrinha não soube citar quais cidades da região também estão com os pagamentos atrasados. Ele foi indagado ainda sobre o pagamento de juros, suportado pelos funcionários em função do atraso não programado. Terrinha disse que esta era uma questão nova e que poderia ser discutida. Acenou com a possibilidade de ressarcimento.
Outra reunião, com a presença do controlador municipal, Cleuton Lima, foi marcada para ocorrer às 15h, desta quinta-feira, para que seja explicado aos membros do Sintramfor a real situação orçamentária da Prefeitura. ?O que for explicado nesta reunião vamos levar para a assembleia que ocorrerá hoje, as 17h, na Câmara Municipal e decidir com os servidores se fazemos uma paralisação geral ou não. Eu não posso decidir por mim?, disse Natanael.
Atualmente, a folha de pagamento dos servidores municipais atinge R$2.820 milhões.

print
Comentários