Mais duas pessoas, que estavam com ferimentos graves, morreram por causa do tornado que atingiu Havana, em Cuba, no dia 27 de janeiro. O total de vítimas subiu para seis.

Segundo o ministro de Saúde Pública, José Angel Portal Miranda, “infelizmente morreram duas pessoas das 13 que se encontravam em estado grave como consequência das lesões sofridas durante o fenômeno climatológico”. O último balanço oficial apontava quatro mortes.

Uma semana depois da emergência, brigadas do governo e de cidadãos voluntários conseguiram remover a maior parte dos escombros, e a energia elétrica se restabeleceu quase totalmente. Os serviços telefônicos nos bairros afetados foram religados em 65% dos casos.

Desastre em Cuba

 O tornado, com velocidade de 322 km/h, castigou na noite de 27 de janeiro parte de Havana, afetando os municípios de Regla, Guanabacoa, San Miguel del Padrón e 10 de octubre. De categoria EF 4 (a máxima é EF 5), percorreu uma distância de 11,5 km.

Casa destruída em Havana após passagem de tornado (Foto: AP Photo/Ramon Espinosa)

Em sua passagem, varreu casas, virou automóveis e arrancou postes e árvores.

O ministro da Construção, René Mesa Villafaña, informou que 3.513 casas foram danificadas. As partes turísticas da cidade também sofreram danos.

Nesse domingo (3), operários da companhia de eletricidade e de telefonia repunham postes e cabos, em meio a dezenas de moradias que ainda apresentam danos severos, a maioria delas sem teto. Os afetados recebiam em suas casas ajuda humanitária de cidadãos que se organizavam em caravanas. As zonas afetadas são resguardadas pela Polícia.

Centenas de pessoas se mobilizaram pelas redes sociais para doar alimentos, roupas, remédios e artigos de limpeza aos afetados.

IMPRIMIR

Fonte:

G1