Dentre os entraves que seguram o crescimento do parque industrial mineiro foi consenso nas falas dos que discursaram na solenidade de posse do formiguense “Paulinho da Fidalga” que assumiu a presidência da Fiemg/Regional Centro-oeste, as queixas contra o excesso de burocracia que a máquina pública impõe aos que pretendam instalar na região, notadamente no encaminhamento dos processos que tratam das posturas que visam a defesa ambiental.
É claro que todos sabemos o quanto é importante o cumprimento das normas que regulam a matéria e que devem sim, ser seguidas à risca. Mas, daí a concordar com fato, conforme denunciado, de que a obtenção de Licença de Instalação, na maioria das vezes, demora mais de ano para ser emitida, são outros quinhentos.
Diante desta constatação ficamos a imaginar por quais razões isto ocorre e concluímos que esta postura se soma a outros entraves que inibem nosso desenvolvimento, que em ultima análise equivale à criação de vagas de empregos, à geração de renda e de impostos e taxas que custeiam a máquina governamental que, como visto, não funciona a contento.
Em frase simples, o presidente da Fiemg, Flávio Roscoe, resumiu tudo quando afirmou que o governo é improdutivo. Neste país, se gasta cada vez mais e se tira de quem produz, através da alta carga tributária, a chance das empresas (capital + trabalho) multiplicarem sua capacidade produtiva o que, se permitido, faria a máquina girar.
A pior parte é que a máquina pública não devolve à população nem mesmo o mínimo dos serviços a que esta faz jus. Educação, saúde, segurança, moradia e outros direitos constitucionais estariam em outro patamar se, como dito, os empresários tivessem condição para reinvestir aquilo que o governo lhes toma pela tributação excessiva, já que produzindo mais certamente o caixa governamental andaria mais folgado.
Porém, desburocratizar é preciso! Enxugar a máquina pública, também! Administrar com parcimônia, seriedade e com transparência, nos parece ser a receita que valeria à pena ser replicada nos 5570 municípios brasileiros.
Em sua simplicidade, mas com muita determinação, nos parece que o prefeito de Colatina/ES, Sérgio Meneghelli, entendeu isto e tem mostrado ao país que há sim, muitas formas de sair da propalada crise. E olha gente, por incrível que pareça, ele é filiado ao MDB.

IMPRIMIR