Sobreviventes do regime nazista alemão voltaram nesta segunda-feira (27) ao campo de extermínio de Auschwitz-Birkenau, na Polônia, para a cerimônia que marca 75 anos da libertação pelas tropas soviéticas.
Em muitos casos, eles são acompanhados por filhos, netos e até bisnetos, de acordo com a Associated Press.

Com gorros e lenços listrados de azul e branco, simbolizando os uniformes destes prisioneiros no campo, atravessaram, com tristeza, o célebre portal de ferro com a inscrição “Arbeit macht frei” (“O trabalho liberta”, em tradução livre do alemão para o português).

Acompanhados do presidente polonês, Andrzej Duda, eles depositaram coroas de flores perto do “muro da morte”. Mais de 1 milhão de pessoas foram vítimas nesse campo de concentração, que é considerado um dos principais símbolo do genocídio.

São esperados mais de 200 sobreviventes. Muitos deles são judeus vindos de vários países, como Israel, Estados Unidos, Austrália, Peru, Rússia, Eslovênia, entre outros.

Sobreviventes voltam a Auschwitz, na Polônia, nesta segunda-feira (27), para cerimônia que marca 75 anos da liberação do campo de concentração — Foto: Aleksandra Szmigiel/ Reuters


Holocausto

Quando os nazistas chegaram ao poder na Alemanha, em 1933, iniciou-se uma perseguição aos judeus. Nessa primeira etapa da campanha para erradicar a população judaica na Europa, foram-lhes confiscados propriedades, direitos e liberdades.

Depois da invasão alemã à Polônia em 1939, os nazistas começaram a deportar judeus da Alemanha e da Áustria para a Polônia, onde criaram guetos para separá-los do resto da população. Em maio de 1940, Auschwitz foi transformado em uma prisão para presos políticos.

Em 1941, durante a invasão alemã na União Soviética, os nazistas começaram de fato a campanha de extermínio.

Sobreviventes carregam uma coroa de flores em Auschwitz, na Polônia, nesta segunda-feira (27) — Foto: Aleksandra Szmigiel/ Reuters



Seis milhões de judeus foram mortos no Holocausto e Auschwitz está no centro do genocídio. Estima-se que, em menos de quatro anos, ao menos 1,1 milhão de pessoas foram mortas no campo de concentração polonês. Quase 1 milhão eram judeus.

As vítimas levadas a campos de concentração eram mantidas em situação deplorável, trabalhavam até a morte ou eram levadas a câmaras de gás.

Em 27 de janeiro de 1945, tropas soviéticas entraram no campo de concentração e encontraram os sobreviventes magros, torturados e exaustos.

Apenas cerca de 7 mil prisioneiros esqueléticos e doentes terminais tinham sobrevivido, sendo que 500 deles eram crianças. Poucos conseguiam ficar de pé, muitos estavam deitados no chão, apáticos.

Campo de concentração de Auschwitz, na Polônia, em registro feito nesta segunda-feira (27), data em que se lembra os 75 anos de liberação de seus prisioneiros — Foto: Kacper Pempel/ Reuters


Encontro em Jerusalém

Na semana passada, mais de 40 líderes de diversos países se encontraram em Jerusalém em ato para lembrar o holocausto. O evento foi considerado uma das maiores reuniões políticas da história de Israel.

 

Fonte: G1 ||
Imprimir
Comentários