A lenda da Marvel, Stan Lee, que revolucionou a cultura pop como cocriador de super-heróis icônicos como “Homem-aranha” e “Incrível Hulk”, que se tornaram personagens de sucesso nos cinemas, faleceu aos 95 anos.

Personificação da cultura dos quadrinhos nos Estados Unidos, Lee morreu na manhã dessa segunda-feira (12) em Los Angeles, segundo a imprensa especializada, incluindo a revista Hollywood Reporter. Nos últimos anos, ele enfrentou uma série de problemas de saúde.

“Meu pai amava todos os seus fãs”, contou a filha dele, J.C., ao site TMZ, especializado em celebridades. “Ele era um homem muito decente, era o maior”.

O nova-iorquino, conhecido pelos óculos escuros e pelo sorriso travesso, aparecia com frequência em eventos nos quais era reverenciado pelos fãs.

Stanley Martin Lieber nasceu em 1922, em Nova York, nos Estados Unidos. Começou a trabalhar em HQs com o pseudônimo de Stan Lee em 1939, contratado por John Goodman, fundador da Timely Publications e primo de sua mulher, Joan.

Ele se tornou um dos nomes mais importantes dos quadrinhos americanos ao criar super-heróis como Homem-Aranha, Thor, Hulk, X-Men, Pantera Negra, Homem de Ferro, Doutor Estranho e Demolidor.

“Achava que algum dia escreveria o ‘Grande Romance Americano’ e não queria usar meu nome verdadeiro nesses quadrinhos bobos”, disse em certa ocasião, explicando porque havia deixado de usar seu nome de batismo, Stanley Lieber.

Lee foi subindo de posição até se tornar quadrinista, levando milhões de fãs de super-heróis a sonhar com seus universos fantásticos e humanos com superpoderes e acabou comandando o império Marvel por décadas como editor.

‘Homem-aranha’, ‘Pantera Negra’, os ‘X-Men’, ‘Quarteto Fantástico’… Lee colaborou com outros autores e ilustradores para materializar no papel sua rica imaginação.

Lee apareceu em papéis secundários em quase todos os filmes da Marvel, inclusive como motorista de ônibus em “Vingadores: Guerra Infinita”, filme que reuniu muitos dos personagens que ele criou.

Roteirista e editor da Marvel, foi um dos responsáveis por transformar a empresa na maior editora de quadrinhos do mundo a partir de 1961.

Após a mudança do nome da editora, primeiro para Atlas Comics, e depois para Marvel Comics, Lee revolucionou o mercado de quadrinhos ao modernizar o gênero de heróis com criações para um público mais velho, como o lançamento de “Quarteto Fantástico”.

Com dramas familiares e heroísmos que utilizavam elementos de ficção científica, as histórias ajudaram na fama de personagens mais complexos e realistas da Marvel em relação à sua principal concorrente, a DC.

Morre Stan Lee, criador de heróis da Marvel, aos 95 anos

O mesmo aconteceu com o Homem-Aranha em 1962, um jovem adolescente que dividia suas aventuras com problemas no colégio e contas a pagar, e que se tornou um dos heróis mais populares dos quadrinhos.

Em parceria com artistas como Jack Kirby e Steve Ditko, Lee ainda criou outros personagens icônicos, como Hulk, Thor, Homem de Ferro e Demolidor.

Em 1963, com a cabeça no movimento por direitos civis de negros no Estados Unidos, lançou os X-Men, uma equipe de mutantes que eram marginalizados e hostilizados pelos humanos.

Dos quadrinhos para cinema e TV

Em 1981, Lee transformou seus heróis em desenhos animados exibidos por emissoras de TV. Lenda das histórias em quadrinhos, Stan Lee criou personagens como

Quando a Marvel Comics e a Marvel Productions foram adquiridas pela New World Entertainment em 1986, os horizontes do quadrinista foram se expandido ainda mais.

Lee teve a oportunidade de se envolver mais profundamente na criação e desenvolvimento de filmes e seriados. Ele constantemente fazia aparições nas produções do estúdio.

“Meu pai amou todos seus fãs. Ele era o melhor homem e o mais decente”, comentou a filha do editor, Joan Celia Lee.

Homenagens

Fãs de Stan Lee prestaram homenagem ao quadrinista em sua estrela na Calçada da Fama, em Hollywood.

Uma série de mensagens, flores e desenhos de seus heróis foram deixados na Calçada da Fama como forma de homenagem ao quadrinista. “Obrigada por criar tantos heróis para nós”, agradecia um de seus fãs.

Foto: Valerie Macon / AFP

 

 

Fonte: O Tempo e G1 ||

print

Comentários