STJ decide que Cacciola não poderá ser algemado ao chegar ao Brasil
Pedido foi feito pelos advogados do ex-banqueiro na terça-feira (15).
Extraditado de Mônaco, ex-banqueiro está a caminho do Brasil.
O Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu aceitar pedido dos advogados do ex-banqueiro Salvatore Cacciola que evitaria que ele sofresse constrangimentos em sua chegada ao Brasil. Com a decisão, informou o STJ, Cacciola não poderá ser algemado ao chegar ao Rio de Janeiro na manhã desta quinta-feira (17).
A decisão do presidente do STJ, ministro Humberto Gomes de Barros, também garante à defesa o direito de se comunicar, pessoal e reservadamente, com o ex-banqueiro a partir do desembarque em solo brasileiro.
Segundo o advogado do ex-banqueiro, Carlos Eli Eluf, um pedido de habeas corpus foi feito ao Superior Tribunal de Justiça solicitando, além da ausência das algemas, que ele não seja colocado na parte traseira de um camburão e que tenha direito a cela especial. Ele tem curso superior, então tem direito à cela, afirmou

Imprimir
Comentários