A ingestão de carne vermelha, especialmente de comidas processadas, como bacon e cachorro-quente, aumenta o risco de diabetes tipo 2, de acordo com um novo estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Harvard (EUA). Entretanto, a substituição de uma refeição diária por castanhas ou laticínios com baixo teor de gordura pode baixar o risco, afirmam os pesquisadores.
Os resultados vieram de uma análise de três grupos de profissionais da saúde de ambos os sexos, totalizando quase 300 mil pessoas entre 25 e 75 anos. Os pesquisados responderam perguntas detalhadas sobre suas dietas diárias e histórico médico e atualizaram as informações a cada dois anos.
Uma porção diária de carne vermelha – do tamanho de um maço de baralho – aumenta o risco de diabetes tipo 2 em 19%, segundo os cálculos dos pesquisadores. Ingerir apenas 50 g de carne processada – um cachorro quente ou uma salsicha, por exemplo – aumenta o risco em 51%.
Usando modelos matemáticos os pesquisadores também calcularam os benefícios da substituição diária de uma porção de carne vermelha por castanhas, e descobriram que a troca resultaria em um risco 21% menor de desenvolvimento de diabetes, segundo as estimativas.
O médico Frank Hu, professor da Escola de Saúde Pública de Harvard e autor do estudo publicado no American Jornal of Clinical Nutrition, disse que os resultados deveriam ser interpretados como uma mensagem clara para o fato de que as pessoas precisam reduzir, mas não eliminar, suas porções de carne vermelha das refeições diárias.

IMPRIMIR