A balança comercial brasileira fechou 2008 com o pior resultado desde 2002, devido ao forte aumento das importações no ano. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, o superávit da balança (diferença entre exportações e importações) caiu 38,2% em relação a 2007 e terminou o ano passado em US$ 24,735 bilhões. Esse é o pior resultado desde o superávit de US$ 13,1 bilhões registrado em 2002.
No ano passado, as exportações brasileiras cresceram 23,2% e atingiram o valor recorde de US$ 197,942 bilhões. As importações cresceram 43,6% e chegaram a US$ 173,207 bilhões, patamar que também é recorde.
A corrente de comércio, soma das exportações com as importações, que mede o aumento dos negócios do Brasil com o exterior, também bate recorde. O crescimento foi de 32%, para US$ 371,149 bilhões.
Abaixo da meta
O resultado das exportações ficou 2% abaixo da meta de US$ 202 bilhões fixada pelo Ministério para este ano. Em novembro, o governo já havia admitido que esse patamar não seria alcançado, devido à crise econômica internacional e aos problemas no porto de Itajaí, parcialmente destruído pelas chuvas em Santa Catarina. Esses fatores prejudicaram o desempenho da balança comercial no último trimestre do ano.
O Ministério do Desenvolvimento ainda não divulgou a meta de exportações para 2009. Outro órgão do governo, o Banco Central, prevê exportações de US$ 193 bilhões e importações de US$ 179 bilhões, com um superávit de US$ 14 bilhões.
Já os economistas consultados pelo BC na pesquisa semanal Focus esperam uma queda do superávit da balança para US$ 15 bilhões.
Dezembro
As exportações brasileiras somaram US$ 13,818 bilhões em dezembro, uma queda de 6,3% em relação a novembro e de 2,9% na comparação com dezembro de 2007. As importações caíram 12,4% em relação a novembro, mas subiram 8,7% na comparação anual.
No mês passado, o superávit da balança ficou em US$ 2,301 bilhões. O resultado também é o mais fraco para o último mês do ano desde 2002. O valor representa um aumento de 42,7% em relação a novembro e uma queda de 36,8% em relação ao mesmo período de 2007.

print
Comentários