O estudo ?Acompanhamento de Tarifas Bancárias? elaborado pela Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda, junto com o Banco Central no período de janeiro de 2008 a julho de 2009, concluiu que os bancos públicos cobram tarifas mais baixas do que as instituições privadas na maioria dos serviços prestados para as pessoas físicas quando se comparam as tabelas padronizadas
Segundo o estudo, 21 dos 32 serviços prioritários tiveram preço médio menor nos bancos públicos para as pessoas físicas. A cobrança de tarifas com preço menor pelos bancos públicos também foi comprovada em 75% dos serviços oferecidos para empresas. O estudo não cita nominalmente os bancos.
De acordo com o levantamento, a variação de preços nesse período mostra que, de um rol de 32 serviços padronizados, quatro ficaram mais caros depois de maio de 2008: confecção de cadastro; renovação de cadastro; exclusão do cadastro de emitentes de cheques sem fundo e concessão de adiantamento a depositante.
O estudo mostra ainda que, com base em dados de julho de 2009, as tarifas de 20 serviços ficaram inferiores às cobradas pelos bancos em janeiro do ano passado, com destaque para o fornecimento de segunda via de cartão de débito (-79%), fornecimento de segunda via de cartão de movimentação de conta (-80%), fornecimento de folhas de cheque (-52%), cheque de transferência bancária (-49%) e saquem em correspondente bancário, como os Correios, por exemplo, (-59%). O valor médio do pacote de serviços padronizado também caiu de R$ 16,53 para R$ 14,96 no período.

print
Comentários