O vaivém de pessoas no metrô, em shoppings e empresas é constante, principalmente nas grandes cidades. Mas será que, em algum momento, elas veem a luz do dia?
Ao contrário do que muitos pensam com medo do câncer de pele, o sol é fundamental para a saúde e o funcionamento do corpo. Por meio dos raios do tipo ultravioleta B, o organismo obtém a vitamina D e, com ela, melhora a absorção do cálcio, fortalecendo os ossos.
O reumatologista Cristiano Zerbini, do Hospital Sírio-Libanês e do Hospital Heliópolis, em São Paulo explicou que o sol é responsável por cerca de 90% da aquisição de vitamina D pelo homem, e os alimentos (como leite, gema de ovo, manteiga, peixes de água fria, shitake seco e óleo de fígado de bacalhau) respondem pelos outros 10%. Idosos e pessoas que não podem tomar sol com frequência são indicados a usar suplementos de vitamina D.
O médico recomenda pegar sol no mínimo três vezes por semana, em média durante 15 a 20 minutos, sempre antes das 10 horas da manhã. O ideal, segundo ele, é usar camiseta e bermuda e expor braços, pernas, pescoço e rosto sem filtro solar nesse curto período, pois fatores de proteção acima de 8 já impedem a produção do nutriente pela pele. Indivíduos muitos brancos devem tomar sol mais cedo e por cerca de 5 minutos, e os de pele escura podem ficar ao sol por um tempo pouco maior.
Em nota, a Sociedade Brasileira de Dermatologia defendeu que pessoas com pele muito clara, que têm maior risco de câncer de pele, sempre usem protetor solar e, apenas três vezes por semana, tomem sol – só nos braços. Segundo a entidade, essa exposição já é suficiente para um aporte adequado de vitamina D.
Cristiano Zerbini também falou sobre como o sol entra pela pele e segue até os rins e o fígado, onde ocorre a transformação da vitamina D. Zerbini demonstrou, ainda, como é um osso sadio e outro tomado por osteoporose ? doença que enfraquece os ossos por formação inadequada ou desgaste, e pode causar fraturas principalmente na coluna, bacia, nos punhos e nas costelas.
Além de fixar o cálcio nos ossos e, com isso, evitar a osteoporose, a vitamina D mantém o equilíbrio, evita quedas e dá mais vigor aos músculos. A falta dessa substância no organismo, esclareceu o reumatologista, pode ser identificada em testes laboratoriais, pela análise do cálcio na urina (se houver pouco, é um sinal de alerta) ou por exames de sangue. Não costumam se manifestar sintomas em adultos, exceto por uma eventual dor, cansaço ou falta de equilíbrio. Já as crianças com deficiência de vitamina D podem desenvolver raquitismo, doença que inclui fraqueza e perda óssea.
O consultor Alfredo Halpern também citou que estudos apontam que a vitamina D pode ajudar no tratamento de doenças reumáticas, autoimunes, diabetes e alguns tipos de câncer.
Para a boa saúde dos ossos, apontou Zerbini, é preciso sol, cálcio e também exercícios físicos. De acordo com a nefrologista Rosa Maria Moysés, que liderou uma pesquisa com 600 moradores de São Paulo durante o inverno, 75% dos paulistanos apresentaram níveis do nutriente abaixo do normal. No verão, a porcentagem cai para 45%, o que ainda é muito elevado para um país tropical onde esse índice deveria ficar em torno de 5%.
Cálculo de proteção solar
Para calcular qual deve ser o cuidado para cada tipo de pele, a indústria leva em conta o tempo que uma pessoa branca demora a ficar vermelha. Por exemplo, se alguém exposto ao sol começar a se queimar em 3 minutos, deve-se multiplicar esse tempo por 15, e o resultado é o período em que a pele estará protegida, ou seja, 45 minutos. Depois disso, o indivíduo deve reaplicar o protetor.

Imprimir
Comentários