No momento em que a torcida do Atlético deixou a cautela de lado e soltou o grito de campeão no Gigante da Pampulha, após a vitória em cima do Fluminense, no domingo (29), pelo Campeonato Brasileiro, um torcedor perdeu uma camisa do Galo, que tem um significado muito além do futebol. Depois de muita mobilização na internet, o torcedor conseguiu encontrar a camisa e pôde comemorar mais aliviado.

Lucas Henrique, de 24 anos, estava celebrando mais uma vitória do Galo no Mineirão quando, por acidente, perdeu a camisa do filho Otávio, que morreu em junho deste ano, aos 3 anos. Lucas usa a camisa como uma forma de manter o filho presente com ele no estádio. 

“Essa foi a primeira camisa do meu filho. Ele ganhou no aniversário dele de dois anos de um amigo meu e ele tinha duas camisas. A perdida e uma mais recente, que ele foi sepultado com ela. A camisa dele que fica comigo é para eu sentir a presença dele no estádio. Que bom que foi em um dia que gritamos campeão. A camisa se perdeu durante uma festa”, contou Lucas ao Super.FC.

Nas redes sociais, o pai contou sua história e pediu apoio dos torcedores para ajudá-lo a encontrar a camisa do seu “anjinho”, como ele gosta de lembrar do filho. Em menos de 24 horas, ele conseguiu achar a blusa que carrega como um amuleto.

“Muita gente compartilhou, atleticano, cruzeirense, todo mundo que estava disposto a ajudar e teve empatia com o caso. O que me ajudou mesmo foi o Twitter. Isso foi o melhor. Eu perdi na hora que acabou o jogo. A galera estava gritando campeão, eu só ajoelhei, comecei a chorar e agradecer, não porque eu queria muito. Um amigo me abraçou e jogou a camisa pro alto”, explicou Lucas Henrique ao Super.FC.

O filho de Lucas morreu em um acidente de trânsito, no dia 29 de junho de 2021. Ao Super.FC, o torcedor contou que o motorista estava alcoolizado, tinha feito uso de drogas e acabou acertando Otávio. O momento trágico e de muita dor para a família aconteceu em um dos anos de maior glória do clube alvinegro e, por isso, o torcedor usou o amor pelo Atlético como forma de manter a sua vontade de viver.

“Foi muito traumático para toda família. Esse momento do Galo tem sido uma dose de alegria para mim esse ano. Tenho vários motivos para comemorar, mas é triste, porque eu tinha esse sonho de estar com o Otávio no estádio, estar com ele na inauguração da Arena MRV, era um plano que eu fazia e, infelizmente, eu não pude cumprir. Apesar de muitos momentos de dor, angústia e tristeza esse ano, o Galo tem sido motivo de alegria e consolo. Não só para mim, mas às pessoas próximas também, que consideram o Otávio como nosso talismã alvinegro”, contou Lucas. 

Fonte: O Tempo

print
Comentários