Três das dez mulheres que sofreram queimaduras graves após um incêndio em uma casa, no bairro Nossa Senhora das Graças, em Itapecerica, receberam alta. Outras sete permanecem internadas no Hospital João XXIII, em Belo Horizonte.

Renata Fonseca Santos, de 23 anos, foi a primeira a ter alta no dia 21 de outubro. Keslen Lílian Correia Rodrigues, de 25 anos, teve alta da Santa Casa de Santo Antônio do Monte no fim de outubro. A instituição não soube precisar a data exata da liberação da paciente. De acordo com a administração da Santa Casa, ela teve 35% do corpo queimado.

Elizabete Fagundes, de 25 anos, teve alta da Santa Casa de Itapecerica no dia 26 de outubro.

O caso ocorreu no dia 20 de outubro. Segundo o Corpo de Bombeiros de Divinópolis, várias mulheres faziam um churrasco quando um frasco de álcool explodiu. A Polícia Civil de Itapecerica afirma que tudo indica ter sido um acidente, sem caráter criminoso.

Nove das dez mulheres queimadas em incêndio em Itapecerica permanecem

De acordo com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), que atendeu as vítimas, a mais grave teve 63% do corpo queimado. A mais leve, 9%.

Vítimas

Das vítimas hospitalizadas, Samanta Suzana Ribeiro, de 30 anos, e Raquel Fonseca Santos, de 23 anos, foram atendidas pela Santa Casa de Formiga. Elas tiveram 36% e 27% do corpo queimado, respectivamente. A Santa Casa informou que elas foram transferidas para o Hospital João XXIII no dia 21 de outubro.

Rafaela Lamounier Ribeiro, de 25 anos, foi transferida para a Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) adulto do Hospital São João de Deus (HSJD), em Divinópolis após o acidente. A assessoria de comunicação da instituição afirmou que a jovem foi transferida para o Hospital João XXIII, em Belo Horizonte, no dia 27 de outubro.

As outras quatro vítimas foram direto para o hospital da capital no dia do acidente. Em nota, o Hospital João XXIII afirmou que as sete pacientes, seguem internadas na instituição. Todas passam por procedimentos para se recuperar das queimaduras e, segundo o hospital, o estado de saúde delas é estável.

 

 

IMPRIMIR

Fonte:

G1