Professores das escolas estaduais Professor Tônico Leite (GOT), Doutor Abílio Machado (Polivalente) e Cesec aderiram nesta terça-feira (16) à paralisação estadual da categoria, que reivindica melhorias no piso salarial.O setor administrativo dos estabelecimentos está funcionando normalmente.
De acordo com a diretora do Tônico Leite, Lusmarina Alves de Almeida Elias, em assembleia realizada na sexta-feira passada (12), professores decidiram paralisar as aulas nos três turnos de ensino. Lusmarina não soube detalhar os motivos da greve temporária, mas disse que os profissionais reivindicam um aumento no subsídio.
Em algumas cidades de Minas, a greve já dura 68 dias. Nesta terça-feira, a Secretaria de Estado de Educação (SEE) de Minas se reunirá com representantes do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação (Sind-UTE) para tentar negociar o fim das greves.
De acordo com o Sind-UTE, 50% das escolas continuam sem atividades. A categoria pede a adoção do piso salarial nacional de R$ 1.597 para uma jornada de 40 horas semanais. O governo afirma que, com a criação do regime de subsídio, em janeiro, o menor salário pago em Minas é de R$ 1.122 para jornada de 24 horas semanais.
A reunião realizada na quarta-feira passada (10), que debateu o mesmo assunto, terminou sem acordo.
Por decisão do governo do Estado, os grevistas tiveram os pontos cortados e receberam em julho apenas a remuneração proporcional aos oito dias trabalhados em junho. Segundo a SEE, o ponto dos grevistas só será reconsiderado com a reposição dos dias parados.

Imprimir