O presidente eleito, Jair Bolsonaro, disse nesta quinta-feira (1º), em entrevista a emissoras de TV católicas, que Meio Ambiente e Agricultura deverão ser ministérios diferentes em seu governo.

Nos últimos dias, foi cogitada dentro da equipe que está montando o novo desenho dos ministérios a fusão entre Agricultura e Meio Ambiente. A ideia, no entanto, foi mal recebida por representantes dos dois setores. Diante da repercussão negativa, a equipe de Bolsonaro deu sinais de recuo.

“Havia uma ideia de fusão, mas pelo que parece será modificada. Pelo que tudo indica, serão dois ministérios distintos”, afirmou o presidente eleito.

Ele ressaltou que não quer um ministro “xiita” para o Meio Ambiente e que a conservação da natureza não pode ser um obstáculo para o progresso do país.

“O Brasil é o país que mais protege o meio ambiente. Nós pretendemos proteger o meio ambiente, sim, mas não criar dificuldades para o nosso progresso”, argumentou Bolsonaro.

Segundo ele, o perfil de um ministro do Meio Ambiente é o de “uma pessoa voltada para proteger o meio ambiente sem o caráter xiita, como foi em outros governos”.

Aborto

Bolsonaro também foi questionado sobre eventuais mudanças na legislação do aborto. Ele disse que vetaria um projeto que ampliasse as possibilidades legais de interrupção da gravidez, caso fosse aprovado pelo Congresso.

Atualmente, o aborto é permitido em três casos: se a gravidez traz risco de vida para a mãe; se a gestação é fruto de estupro; ou se o feto é anencéfalo.

“Não contaria com meu voto uma proposta nesse sentido”, disse o presidente eleito. Se a Câmara e o Senado aprovarem a ampliação [das possibilidades legais de aborto], nós aqui vetaríamos”, afirmou.

IMPRIMIR

Fonte:

G1