Os terráqueos poderão observar a sua última Superlua do ano nesta terça-feira (13). O fenômeno ocorre quando o perigeu da Lua — ponto da órbita mais próximo da Terra — coincide com a lua cheia, tornando o satélite maior no céu. A Lua atinge sua fase cheia às 22h05 desta terça e o perigeu ocorreu por volta das 21h desta segunda.

De acordo com o colunista do  portal G1 e astrônomo Cássio Barbosa, o melhor a fazer para observar o fenômeno é olhar para o céu logo após a lua aparecer. Como o perigeu ocorreu na segunda-feira, ela deverá estar mais próxima — mesmo que não completamente cheia — já no início da noite.

“A hora em que a Lua nascer será a melhor porque ela já está se afastando e, quanto mais tempo você demorar pra ver, mais longe do perigeu — e, portanto, menor — ela estará. A diferença é mínima, mas a lógica é essa”, explicou Barbosa.

O fenômeno deverá ofuscar os meteoros Geminídeos, destroços de um asteroide que aparecem no céu uma vez por ano por estarem no caminho da Terra em torno do Sol. De acordo com a Nasa, os observadores que tiverem sorte poderão ver a passagem dos meteoros em seus momentos de “chuva” mais intensa.

“Será possível ver só os meteoros mais brilhantes porque a Lua ofusca. Ela aumenta o brilho do céu, fazendo os mais apagados sumirem. É o mesmo princípio das estrelas: quando é lua cheia você as enxerga muito menos. E a lua estará muito em cima de Gêmeos, quase em cima da constelação. Nesse sentido, é a pior posição possível”, apontou o colunista.

IMPRIMIR

Fonte:

G1