A Inteligência que me refiro não é aquela que você e eu temos, mas daqueles departamentos que governos e forças armadas possuem. Todas as Forças têm seu grupo de Inteligência, o Exército, a Marinha, a Aeronáutica, a Polícia Militar, a Polícia Civil etc. Os governos também têm, como a ABIN (Agência Brasileira de Inteligência).

Pois é, nossos valorosos militares, primeira linha de defesa da nação, não viram o perigo imediato à nacionalidade. China, Irã, Coreia do Sul, Japão, Austrália, Itália, um a um, os países foram padecendo da epidemia de Coronavírus, mas nossos agentes continuavam silentes.

As ações da Vale, da Petrobras, das empresas de transporte de passageiros e de turismo caem… E os nossos valentes? Nada! Finalmente, as Bolsas de Valores desabam pelo mundo todo, e nossos agentes das Inteligências dormem.

A Itália sucumbe, todos os países mostram uma curva exponencial que aprendemos na oitava série do primeiro grau. Mas nenhum militar entendeu, via a curva, mas não conseguiram inferir, nem gerar uma dúvida. Cabe lembrar que o presidente Bolsonaro estudou em uma Escola Militar, em tese, escolas de boa qualidade. E lá foi o presidente passear em Miami, levando uma tropa obediente para trazer o vírus mais depressa. E cadê a Inteligência para alertar o presidente?

Os jornalistas iniciam os alertas à Pátria, o chefe-mor diz que é histeria, e os agentes pagos para pensar? Mudos! Então, até jornalista amigo do presidente o repreende ao vivo na televisão, mas os agentes continuam inertes.

Os governadores, que mostram entender de curva exponencial, marcam a quarentena para o dia 23 de março, mas os professores que entendem melhor que os governadores, param as escolas no dia 16 mesmo, seguido pelos empresários e empregados assustados com a fila de caminhões do Exército levando urnas funerárias.

Em uma semana após a primeira morte, comparando com a Itália e a Espanha (que seguia pior), mostrou o Brasil com uma curva de mortos maior que esses dois países. Era o caos anunciado, enquanto víamos em Quito corpos jogados na rua, literalmente, às moscas.

A equipe econômica também não tinha um plano de contingência para uma situação como essa e demora a reagir. Com tantos órgãos de Inteligência, nenhum produziu um informe da realidade para alertar o presidente, que passa a defender o retorno ao trabalho. Enquanto isso, os Estados Unidos da América sucumbe.

A China vence a covid-19 com isolamento de apenas 59 dias depois de entrar no caos. O Brasil entrou em quarentena voluntária para os cidadãos e obrigatório para diversos setores. Teríamos condições para sair da crise em 50 dias ou até mesmo 45. Em vinte dias, nossa exponencial ficou bem suave, mas… E os agentes (mais para passivos)? Totalmente insípidos, estimulando o presidente a desafiar as recomendações da Saúde, inventar procedimentos não provados e estimulando muitos a sair da quarentena.

Cabe lembrar que o Tribunal de Nuremberg condenou subordinados. O presidente e sua trupe de desinteligência, incapazes de entender uma simples exponencial, ameaçam destruir a Pátria. Nossa esperança repousa nos governadores, deputados, senadores, prefeitos e vereadores. As batatas, aos vencedores!

Imprimir
Comentários