Nacionais

Brasil 9×1 STF

O Instituto Paraná Pesquisa perguntou aos brasileiros o que eles achavam do aumento concedido aos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF): 89% disseram que o Brasil não tem condição de arcar com o reajuste, mas os ministros não dão a menor pelota para isso.

A equipe gabaritada de Paulo Guedes

A Folha de S. Paulo se animou com a escolha de Joaquim Levy para o BNDES. Disse em editorial que “As previsões para o crescimento da economia em 2019 convergem para 2,5%. Tendo em vista que o Produto Interno Bruto avançará neste ano pouco mais que o 1% de 2017, trata-se de algum progresso, embora lento, insuficiente e incerto (…). Contribuem para o ensaio de otimismo a agenda liberal do presidente eleito e a equipe gabaritada que vai se formando em torno do futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Nesta segunda, por exemplo, confirmou-se a ida do ortodoxo Joaquim Levy, ex-titular da Fazenda, para o BNDES”.

José Dirceu reconhece erro do PT

José Dirceu disse na segunda-feira (12) que Jair Bolsonaro tem muito tempo pela frente: “não nos iludamos. É um governo que tem muita base social, muita força e muito tempo pela frente. Vai transformar a segurança em pauta”. Segundo a Folha de São Paulo José Dirceu também afirmou que: “Em 13 anos e meio, nos afastamos do dia a dia do povo”.

Governo diferenciado

O general Augusto Heleno, sobre o futuro governo, disse para o Valor Econômico: “não pode continuar esse negócio que está aí. É muita bandalheira, muita falta de vergonha, muita gestão desastrosa. O Brasil perdeu a capacidade de ser um país querido por seu povo. O cara tem de ter orgulho de ser brasileiro. Não pode encarar patriotismo, amor à pátria, como sendo uma coisa boba, irrelevante”.

A lua de mel de Gilmar

Gilmar Mendes está em paz com Sergio Moro. Segundo a Folha ele disse: “outros juízes já deixaram a magistratura para ocuparem cargos em governos ou serem candidatos na eleição”. E também: “de minha parte, seria uma convivência normal. Tenho boa relação com ele. Vocês não sabem, mas já escrevi até um texto em homenagem a ele, a convite de um professor do Paraná”.

O presidencialismo da prensa

Segundo análise de Merval Pereira, depois do presidencialismo de coalizão, que funcionava na base da propina, podemos agora, ter o presidencialismo de coerção.  Diz ele:  “Jair Bolsonaro está conseguindo montar seu governo sem depender dos partidos, e o objetivo é fazer uma negociação transversalmente pelas legendas, indo direto aos que votam, sem negociações com as cúpulas. Pode assim fazer maioria com bancadas móveis, dependendo do interesse do momento. Mas precisará de um articulador político de peso, que não parece ser o perfil do futuro ministro do Gabinete Civil, Onyx Lorenzoni. As bancadas, por sua vez, poderão negociar entre si, também acima dos partidos, e ganharão uma força grande (…)”.

Temer ainda não decidiu se veta reajuste do Judiciário

Um auxiliar direto do presidente Michel Temer disse ao Estadão que o presidente ainda não decidiu se sanciona ou veta o reajuste do Judiciário. Temer estaria aguardando o fim do auxílio-moradia, prometido como “compensação” ao aumento de 16,4% do salário dos ministros do STF, com efeito cascata no funcionalismo. Esse acordo é blefe, pois o impacto do reajuste é muito maior do que aquele a ser obtido com o fim do benefício.

O Programa Escola sem Partido nada tem a ver com o ensino religioso

Os mais de 220 membros do Ministério Público que assinam a nota técnica de defesa da constitucionalidade do projeto Escola Sem Partido rebatem no texto a acusação feita por seus adversários relativa à questão religiosa. Segundo os signatários, “o Programa Escola sem Partido nada tem a ver com o ensino religioso, de que trata o artigo 210, § 1°, da Constituição, segundo o qual o ensino religioso, de matrícula facultativa, constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas de ensino fundamental”.

Ele volta?

Roberto Teixeira, acusado de lavagem de dinheiro no caso do sítio de Lula, “vai ao exterior para se consultar com um médico”, diz a Veja. Depois ele volta, não é?

Lula sem discurso

Lula vai tentar transformar o banco dos réus num palanque contra Sergio Moro, segundo se depreende de noticia trazida a público pela Folha. “Aliados esperam que o ex-presidente aproveite o momento para se manifestar sobre a indicação de Moro ao Ministério, e questione a imparcialidade do juiz, que deve pedir exoneração até o fim do ano”.

Onyx frito

Onyx Lorenzoni sequer assumiu a Casa Civil e já é alvo de fogo amigo, diz a Crusoé.

Integrantes do PSL e outros aliados do presidente eleito, Jair Bolsonaro, apostam que o futuro ministro não passará seis meses no cargo.

Uma lágrima no olho do Dr. Rey

O Dr. Rey, que tentou arrancar um cargo de Jair Bolsonaro, está magoado com o Brasil. Ele disse para O Globo: “o Brasil escolhe modelos pornôs, palhaços e funkeiros para seus deputados. Fiz o máximo possível. Até me humilhei para participar dessa reconstrução, mas o Brasil não me quis. E não tem problema. Eu vou servir à nação que me adotou. A Marinha de guerra americana está pedindo de joelhos para que eu entre como capitão cirurgião. E eu vou escolher as forças de elite americanas. Tenho até dia 31 de dezembro para decidir. Eu quero pagar em combate o agradecimento que eu tenho pelos Estados Unidos. Mas eu irei com uma lágrima no olho”. E prosseguiu:  “Qual pessoa melhor para trazer o sistema de Saúde do Primeiro Mundo para o Brasil do que o Rey? Mas me parece que o Brasil não está interessado. E eu não preciso voltar para o Brasil para ser humilhado. Não preciso de dinheiro brasileiro. Eu tive muito sucesso em todos os continentes. Oceania, Austrália, todos os países da África, todos os países europeus, toda a Ásia.. Faz um Google! Eu sou um dos médicos mais ricos do mundo”.

O caixa dois de Onyx

Onyx Lorenzoni confessou o recebimento de R$100 mil no caixa dois.

Uma planilha entregue por delatores da JBS à PGR, segundo a Folha de S. Paulo, “sugere que o futuro ministro da Casa Civil recebeu via caixa dois uma segunda doação eleitoral”

As brechas de Eunício

Paulo Guedes se reuniu com Eunício Oliveira na terça-feira, (13).  O presidente do Senado, diz o Estadão, “sinalizou que há brechas para que a proposta de reforma previdenciária ande no Congresso ainda este ano”.

Fachin decide que mãe de Geddel seja julgada pela Justiça de Brasília

O ministro Edson Fachin decidiu na terça-feira, (12) , que Marluce Vieira Lima, mãe de Geddel Vieira Lima, seja julgada pela 10ª Vara Federal de Brasília, informa o G1. Marluce é ré no processo que investiga a origem dos R$51 milhões encontrados no “bunker da propina”.

Votar para impedir que o ruim queira ficar

Paulo Delgado, que repudiou o partido que ajudou a fundar, o PT, fez a seguinte análise sobre a disputa presidencial: “toda eleição tem um polo do poder e um polo da liberdade. Nesta o poder foi representado pela esquerda e a liberdade, pela direita. Foi assim que a decisão se deslocou para fora do alcance da política velha (…)”.

O novo Centrão contra Bolsonaro

Segundo a Folha de S. Paulo, “partidos de centro” como PSDB, PSB, PV, PSD, uma parte do MDB e outra parte do DEM planejam formar “uma federação de agremiações para atuar em conjunto no Congresso e nas eleições”. É o novo Centrão contra Jair Bolsonaro. Como diz a reportagem, “haveria uma vantagem em relação à criação de um novo partido: na federação, cada legenda mantém sua estrutura e seu fundo partidário, em geral de alguns milhões”.

Campanha de Bolsonaro terá 3 dias para esclarecer “inconsistências”

O ministro Luís Roberto Barroso, do TSE, deu 3 dias para a campanha de Jair Bolsonaro prestar esclarecimentos sobre 23 “inconsistências” na prestação de contas do presidente eleito. Relator no TSE das contas de campanha, Barroso terá de submeter o procedimento a julgamento no plenário do tribunal. Entre as “inconsistências” encontradas pelos técnicos do TSE estão indícios de impropriedade, indícios de irregularidade, falta de documentos e contratos que comprovam serviços e gastos.

Fonte dos textos nacionais: O Antagonista

 

IMPRIMIR

Fonte:

Fonte: O Antagonista