Enquanto muita gente defende a flexibilização do distanciamento social e a retomada de atividades econômicas, a COVID-19 avança em Minas e já deixa 3,3 milhões de pessoas sem leitos de UTI em 154 municípios do estado. Considerando os municípios à beira do esgotamento, o total de desassistidos pode chegar a quase 10 milhões de pessoas – ou metade da população mineira.

A última macrorregião a ter vagas de tratamento intensivo esgotadas foi a Nordeste, que reúne 57 cidades com população total de 832.829 habitantes. Ela se junta a Jequitinhonha (407.213 habitantes), Triângulo do Norte (1.294.816) e Vale do Aço (839.344), que desde sexta-feira já não dispunham de locais para doentes que requerem cuidados especiais, segundo dados da Secretaria de Estado da Saúde (SES-MG). Em Minas há 454 mortos pela doença.

A macrorregião Nordeste tem como polo Teófilo Otoni, que é a oitava cidade de Minas em número de casos, com 410. Ela é apenas a 18ª mais populosa do estado, com pouco mais de 140 mil habitantes.Em outras regiões os contaminados na cidade-polo também estiveram acima da proporção populacional, que não é o único dado a ser levado em conta. Como Ipatinga, no Vale do Aço, que é a 10ª em população (263 mil habitantes) e a quarta com mais registros (658).

A prefeitura do município informou que há na cidade 30 pacientes de COVID-19 internados em unidades intensivas. Devido à sobrecarga do seu sistema de saúde, nove foram transferidos para outras cidades da região – oito para Caratinga e um para Coronel Fabriciano.

As autoridades certamente estão preocupadas, porque outras cinco macrorregiões já estão próximas da ocupação total de leitos em UTI. Na Sul (2.797.399 habitantes), apenas 12,32% das vagas estão disponíveis. Na Sudeste (1.668.453), 11,2%. Na Oeste (1.280.907), 16,36%, enquanto na Noroeste (701.605), 9,61%. Já a Leste (689.689) dispõe de apenas 10,52% dos leitos de UTI para atender os enfermos.

Números relativizados

Questionada, a SES-MG relativizou os números em resposta via e-mail: “Ao publicar as taxas de ocupação na plataforma BI, é possível que algumas regiões apresentem índices mais elevados, próximos à casa de 100%, uma vez que o extrato de dados do dia é retirado às 23h59 de cada dia e as altas dadas pelos médicos costumam ser feitas à noite, quando é comum haver trocas de turno. Até que a alta seja efetivamente lançada em sistema, é possível que o leito ainda esteja ocupado em sistema, apesar de já liberado na prática”.

Segundo a secretaria, “a média de ocupação no Estado de Minas Gerais” de leitos de UTI é de 71,71%, “sendo 12,21% ocupados por pacientes com COVID-19 ou suspeitos. A macro Sudeste tem 21,53% de ocupação de leitos com pacientes com suspeita ou com o novo coronavírus. A macro Sul está com 13,01%. A Macro Oeste tem ocupação em 12,12%. A Noroeste, ocupação de 21,05%, e a Centro-Sul, 6,25%”.

De acordo com a SES, as abordagens são regionalizadas. “Para traçar metas específicas para cada região, foram criados Planos de Contingência de cada macrorregião, elaborados para o enfrentamento à pandemia. Esse plano estabelece ações complementares para desacelerar disseminação do novo coronavírus no território mineiro. É previsto o acompanhamento da situação de saúde dos usuários, monitoramento remoto e mapeamento mais próximo da capacidade de aumento de leitos de UTI”.

Ainda conforme o órgão, na quarta-feira o Ministério da Saúde habilitou 328 leitos de Unidades de Terapia Intensiva (UTI) no Estado. “São leitos de UTI adulto para atendimento a pacientes com COVID-19 em estabelecimentos de saúde dos municípios do estado. Para os próximos dias, é aguardada a chegada de uma nova leva dos 1.047 respiradores adquiridos pelo Estado”.

Impacto em Uberlândia

Minas chegou ontem a 454 mortes pela COVID-19. De acordo com o boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde, houve oito óbitos a mais em relação ao balanço de sexta-feira. O número de casos confirmados subiu para 20.614, com aumento de 508 novos registros em um único dia. Houve três mortes em Uberlândia e nos municípios de Belo Horizonte, Campo Belo, Mariana, Contagem e Monte Alegre de Minas. A capital mineira chegou a 67 mortos e tem 3.157 casos. Uberlândia, a 34 mortes, com 2.127 infectados.

Matéria do Estado de Minas

Imprimir
Comentários